DestaquePolítica

A diminuição dos homicídios no Brasil pelo segundo ano consecutivo merece ser celebrada

Em 2019, todas as 27 unidades da federação registraram redução nas taxas.

O crescimento dos homicídios em nove estados brasileiros no último trimestre de 2019 acende o alerta para os governadores, que devem ficar atentos para não perder o controle da situação.

Em 2018, havia nove estados com taxas de homicídios acima dos 40 casos por 100 mil habitantes. Roraima, o primeiro lugar no ranking, registrou naquele ano 59,8 casos por 100 mil. No ano passado, a casa dos 40 homicídios por 100 mil não foi ultrapassada por nenhum estado brasileiro. O Rio Grande do Norte, que ficou em primeiro lugar, registrou 36,8 homicídios por 100 mil.

As duas maiores quedas em 2019 foram registradas no Ceará (-50,3%) e em Roraima (-42,3%). A redução no Ceará foi a mais surpreendente. No começo do ano, a capital, Fortaleza, e a região metropolitana, viveram momentos de pânico e desordem. A nova gestão da Secretaria de Administração Penitenciária havia prometido endurecer o controle nos presídios e misturar integrantes de facções rivais nas mesmas unidades.

A medida provocou, nos primeiros dois meses do ano, uma série de ataques a ônibus, viadutos e delegacias, deixando a população acuada e as ruas desertas. A ofensiva, contudo, acabou promovendo a aproximação entre os grupos rivais e diminuiu os conflitos mortais entre eles. Já Roraima, que em 2018 havia enfrentando problemas políticos graves, passando pela crise fiscal, dos migrantes e pela disputa entre facções, conseguiu estancar a sensação de terra sem lei depois das eleições para o governo.

Sobre a queda nacional dos homicídios, vale a pena prestar atenção na nova configuração do mercado nacional de drogas e nos instrumentos às mãos dos estados para pressionar os chefes das facções prisionais. Boa parte das lideranças do tráfico hoje, nos diversos estados, está presa e comanda os negócios das cadeias.

Esse modelo de gestão criminal produziu uma série de confrontos em 2017, quando as duas maiores facções nacionais racharam e promoveram massacres em presídios, gerando tensão em todo o sistema penitenciário. Os conflitos alcançaram o lado de fora e o ano acabou como o mais violento da história.

As ordens dos chefes das facções, contudo, podiam ser acompanhadas pela inteligência dos presídios, que passaram identificar os cabeças e a punir com transferência para os presídios federais. Para evitar o cárcere duro e a perda de dinheiro e poder em seus estados, ao longo de 2018, muitas quadrilhas preferiram recuar. Como resultado, a tensão nos presídios arrefeceu ao longo desses dois anos. Os conflitos continuaram, mas reduziram em intensidade.

Há motivos, contudo, para conter o entusiasmo. Os homicídios praticados pela polícia, que não fazem parte deste levantamento e que tinham batido recorde no primeiro semestre de 2019, mostram o enfraquecimento do controle sobre essas instituições. No Rio de Janeiro, o descontrole da polícia ajudou na criação de grupos paramilitares que se tornaram as quadrilhas criminosas mais fortes do estado nos dias de hoje.

Além disso, o total de homicídios continua alto o suficiente para garantir ao Brasil o primeiro lugar no ranking dos países com maior número absoluto de crimes intencionais violentos do mundo. Resta, portanto, a dúvida. A redução desses dois anos seria apenas uma queda circunstancial, resultado da acomodação momentânea da rivalidade no mercado de drogas? Ou os governos conseguirão passar a mensagem de que matar é um mau negócio, diminuindo a letalidade do crime e mantendo uma queda consistente? A resposta só virá nos próximos anos.

Bruno Paes Manso é jornalista e pesquisador do NEV-USP

Via
Por: G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios