Economia

Ações da Latam despencam com pedido de recuperação judicial nos EUA

A Latam informou a decisão na madrugada desta terça, via comunicado ao mercado.

As ações da Latam negociadas na Bolsa de Santiago do Chile chegaram a cair 52,5% nesta terça-feira (26), após a companhia entrar com pedido de recuperação judicial nos EUA, incluindo afiliadas no Chile, Peru, Colômbia e Equador. As afiliadas de Argentina, Brasil e Paraguai não foram incluídas no pedido de proteção contra falência.

A Latam informou a decisão na madrugada desta terça, via comunicado ao mercado. Logo na abertura do pré-mercado americano (negociações de ações entre 4h e 9h30 da manhã de Nova York), as ADRs (recibos de ações que são negociados nos Estados Unidos) da companhia despencaram e chegaram a cair 45%, encerrando as negociações em queda de 40%, a US$ 1,55.

No horário de negociação regular de Nova York, as ADRs da Latam tiveram sua compra e venda suspensa até que a companhia divulgue maiores detalhes sobre o pedido de recuperação judicial aos acionistas.

Na Bolsa de Santiago do Chile, onde a companhia é originalmente listada, as negociações ficaram suspensas até 12h do horário local. Na abertura, caíram 52,5% e as transações foram paralisadas. Por volta das 13h50, no horário de Brasília as ações caem 25%.

Os mecanismos de suspensão das negociações são uma forma das Bolsas protegerem os acionistas e a companhia de movimentos muito bruscos, como quedas abruptas.

No Brasil, as ações do setor aéreo foram impactadas. A Gol recua 2,3% e a Azul, 3,7%.

A Azul anunciou nesta terça o cancelamento de um voo extra que faria aos Estados Unidos na quinta (28), antes da medida que impede a entrada de estrangeiros vindos do Brasil no país entrar em vigor. A medida, porém, foi antecipada para esta quarta (27), o que levou a companhia a cancelar a viagem.

O mercado acionário, por outro lado, vive mais um dia de alta. O Ibovespa sobe 0,4%, a 86 mil pontos. O dólar recua 1,5%, a R$ 5,3720. Em Nova York, Dow Jones sobe 2,6%, S&P 500, 1,6% e Nasaq, 1%.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios