Economia

Acordo entre Mercosul e UE está em revisão, diz secretário

Secretário do Ministério da Economia, Marcos Troyjo, disse que o acordo ainda está sendo avaliado por advogados

Um acordo preliminar entre o Mercosul e a União Europeia ainda está sendo avaliado por advogados, processo que pode levar de seis a sete meses para ser finalizado, disse nesta terça-feira o secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo.

Depois que os termos forem revisados internamente pelos países participantes, o acordo precisará ser aprovado pelos parlamentos dos países membros de ambos os blocos comerciais, disse Troyjo em resposta a uma pergunta durante conferência em São Paulo.

O secretário afirmou que o acordo Mercosul-UE pode ser aprovado, rejeitado ou arquivado pelos países negociadores, mas não emendado. Um acerto preliminar foi assinado ao final de junho entre os dois blocos.

Troyjo minimizou a ameaça do presidente da França, Emmanuel Macron, de se opor ao acordo, depois de o líder francês alegar que o presidente Jair Bolsonaro mentiu a respeito de seus esforços quanto às mudanças climáticas durante cúpula do G20 no Japão.

“Tenho dificuldades de entender quando alguém diz que a França pode se opor ao acordo UE-Mercosul”, disse. “De que França vocês estão falando?”

A França está entre os três maiores investidores estrangeiros diretos no Brasil desde 2000, pontuou Troyjo, acrescentando que o país possui um forte setor industrial convivendo com um “lobby poderoso de agricultores ineficientes”.

Troyjo afirmou também que o Brasil está à procura de acordos comerciais com países como Cingapura, Canadá e México, e que em breve iniciará negociações com os Estados Unidos.

“O Brasil tem uma baixa porcentagem de seu PIB vindo das exportações. Resolveremos essa anomalia”, disse ele ao abrir o Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura (Siavs), que ocorre bienalmente, em São Paulo.

Via
Estadão
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios