Mundo

Acusado de receber propina de empresa brasileira, mexicano é preso na Espanha

Acusado de receber propina de empresa brasileira, mexicano é preso na Espanha

Emilio Lozoya, ex-diretor da gigante petrolífera estatal Pemex e principal envolvido no México no esquema internacional de corrupção da construtora brasileira Odebrecht, foi preso na Espanha – informou o Ministério Público mexicano na quarta-feira (12).

A prisão foi ordenada por um juiz e a Interpol prestou apoio para efetuá-la.

Lozoya é acusado de ter recebido propinas milionárias da Odebrecht, que seriam destinadas à campanha eleitoral do ex-presidente Enrique Peña Nieto (2012-2018).

Ele também é suspeito de ter autorizado, quando diretor da Pemex, a compra de uma fábrica de fertilizantes por cerca de US$ 500 milhões, um preço excessivo em vista do mau estado de suas instalações, segundo o governo e a opinião de especialistas do setor.

Lozoya rejeita todas as acusações. Ele já está sujeito ao processo de extradição da Espanha para o México.

Trata-se do primeiro servidor público de alto escalão investigado pelo governo de Andrés Manuel López Obrador, que assumiu a presidência com o compromisso de erradicar a corrupção no país.

A acusação contra Lozoya surgiu de uma denúncia do representante legal da Pemex. Nela, apontou-se uma série de danos à propriedade da empresa, como resultado de uma cadeia criminosa que a acusação está investigando.

Lozoya renunciou em fevereiro de 2016 ao cargo na administração da Pemex, a principal empresa pública mexicana, atolada em graves problemas financeiros.

Acusado vai aguardar processo de extradição da cadeia

A Suprema Corte da Espanha determinou nesta quinta-feira (13) que ele ficará preso até que se decida se ele será mesmo extraditado. Ele pode ser condenado a até 15 anos de cadeia em seu país de origem.

Para a Justiça da Espanha, se ele ficasse em liberdade, poderia fugir. Quando ele foi preso, estava com uma carteira de motorista falsa e não tinha residência legal no país europeu, o que sugere a intenção de escapar.

A decisão sobre a extradição deve ser tomada em um prazo de até 45 dias.

Via
G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios