Internacional

Adepto fervoroso do Brexit, Boris Johnson é escolhido novo premier do Reino Unido

Defensor de uma saída da UE mesmo sem acordo de transição, ex-prefeito de Londres confirma favoritismo no Partido Conservador para a sucessão de Theresa May

LONDRES — Confirmando o favoritismo, o ex-prefeito de Londres, ex-chanceler e ardoroso partidário de um Brexit a qualquer custo Boris Johnson foi eleito novo líder do Partido Conservador britânico e, consequentemente, sucessor de Theresa May como primeiro-ministro do Reino Unido. Com 92.153 dos 160 mil votos dos filiados do partido, Johnson derrotou o chanceler Jeremy Hunt na disputa interna e tomará posse amanhã, após audiência com a rainha Elizabeth II.

Com 66,3% dos votos, Johnson herda um partido governante e um país divididos, em uma crise em parte provocada por ele próprio, ao liderar uma ala dos conservadores que se opôs a qualquer acordo de transição para a saída da União Europeia que mantivesse vínculos entre o Reino Unido e o bloco.

O fracasso de May , que renunciou após falhar três vezes em aprovar no Parlamento o acordo que negociou com a UE, aprofundou essas divisões. A tendência é que elas se acentuem ainda mais conforme se aproxima do dia 31 de outubro, prazo que o Reino Unido tem para deixar a União Europeia, na qual ingressou em 1973.

Em um breve discurso logo após o anúncio oficial de sua vitória feito pelo presidente do Partido Conservador, Brandon Lewis, Johnson afirmou que pretende “energizar o país e garantir o Brexit no dia 31 de outubro”. Ele reforçou sua oposição a Jeremy Corbyn, líder da oposição trabalhista, que se posicionou em favor de um novo referendo sobre a saída do bloco europeu.

— Nós vamos entregar o Brexit e derrotar o trabalhista Jeremy Corbyn — disse Johnson.

Ele agradeceu a sua antecessora Theresa May, que sempre criticou, reconheceu que haverá questionamentos sobre sua eleição, mas afirmou que os britânicos “não estão assustados” com o Brexit, que foi decidido em um referendo em 2016, por 52% a 48% dos votos.

— Vocês parecem assustados? Vocês se sentem assustados? Eu não acho que vocês pareçam assustados — disse ele a integrantes do partido reunidos no Centro de Conferências Rainha Elizabeth.

Amanhã, após ser empossado pela rainha, Johnson se dirigirá a residência oficial do primeiro-ministro, no número 10 da Downing Street, onde começará a montar seu gabinete.

Sua escolha, entretanto, é tão polarizadora que diversos ministros do Gabinete de May,como Philip Hammond, da pasta das Finanças, declararam que pretendiam renunciar ou se demitir caso sua vitória fosse confirmada, juntando-se a um crescente exército de rebeldes que estão determinados a lutar para impedir um Brexit não negociado . Opositores no Partido Conservador não descartam nem aderir a uma moção de censura para derrubar Johnson.

O primeiro sinal claro de insatisfação com o governo que ainda nem se formou veio na quinta-feira, quando mais de 30 conservadores desafiaram as ordens do partido e ajudaram a aprovar uma medida destinada a impedir que o próximo líder forçasse uma saída da União Europeia sem acordo com o bloco e sem a aprovação do Parlamento.

Essa hipótese vinha sendo considerada publicamente por Johnson. Na semana passada, o Escritório de Responsabilidade Fiscal do Reino Unido divulgou uma estimativa que prevê uma dívida de 30 bilhões de libras esterlinas caso a saída sem acordo seja confirmada.

Incômodo com escolha indireta
A eleição de Johnson também não é bem vista por boa parte da população britânica, visto que apenas 160 mil membros do Partido Conservador votaram para elegê-lo — algo correspondente a menos de 1% dos britânicos. Isto porque, pelo regime parlamentarista, o primeiro-ministro é escolhido diretamente pelo partido do governo. A última eleição geral no Reino Unido, que deu origem ao Parlamento atual, ocorreu em 2017.

Boa parte dos outros 99% da população, entretanto, se sentem excluídos de um processo tão crítico que determinará o futuro do Reino Unido, gerando um amplo questionamento sobre os próprios fundamentos da democracia no país.

A disputa que elegeu Johnson resultou numa maior conscientização sobre a falta de representatividade da Câmara dos Comuns . A parcela de assentos de cada partido não corresponde à parcela de votos que recebe, o que resultou em mais pessoas — incluindo membros do Partido Conservador — pedindo uma revisão do sistema distrital simples, em que vence o candidato que obtém a maioria simples dos votos em cada distrito eleitoral. Os críticos dizem que ele favorece os partidos já estabelecidos, que têm uma base geográfica maior.

Via
O GLOBO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios