Política

Aliança pelo Brasil desiste de assinatura digital e pede desfiliação

Partido irá convocar apoiadores a se desfiliar do PSL e ir a cartórios para assinar lista e reconhecer firma a partir de amanhã

Na esperança de formalizar a criação do novo partido do presidente Jair Bolsonaro, o “Aliança pelo Brasil”, a equipe que cuida da criação da legenda desistiu de coletar, por meio digital, as quase 492 mil assinaturas necessárias.

Nesta quarta-feira (18), o Aliança pelo Brasil vai convocar seus apoiadores a se desfiliar do PSL, para na sexta-feira (20) ir aos cartórios de notas para assinar a lista e reconhecer firma. A assinatura na lista é considerada fundamental para a comprovação do apoiamento mínimo do partido de forma mais segura.

A explicação é que, conforme decidiu o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), seria preciso aguardar a regulamentação da prática, o que poderia inviabilizar a conclusão do partido a tempo de concorrer nas eleições municipais de 2020. A tesoureira do Aliança pelo Brasil e advogada de Bolsonaro, Karina Kufa, explica:

— Isso (regulamentação do certificado digital) pode levar meses.

A Justiça Eleitoral exige que, para disputar o pleito, a legenda precisa estar aprovada e registrada junto ao TSE seis meses antes do dia da eleição.

Sob a bandeira “Liberte-se”, filiados ao PSL, que apoiam o presidente Jair Bolsonaro, estão sendo convocados para se desvincularem do ex-partido do presidente. No site da Aliança pelo Brasil, é possível saber como proceder.

A estratégia é para que essas mesmas pessoas, uma vez desfiliadas, possam apoiar o novo partido. Uma nova convocação será feita para esta sexta-feira, dia 20 de dezembro. A ideia é que os correligionários do presidente Bolsonaro compareçam a um cartório de notas, onde estarão disponíveis fichas que devem ser preenchidas e assinadas manualmente. Na sequência, as assinaturas serão reconhecidas no próprio cartório. O próximo passo é a conferência das assinaturas pela justiça eleitoral.

— Acredito que a popularidade do Presidente da República permita a coleta das assinaturas em pouquíssimo tempo, suficiente para o julgamento pelo TSE antes das eleições de 2020, conclui Karina Kufa.

 

 

Via
FONTE: R7
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios