Internacional

Análise: o que está por trás da visita do emissário de Trump ao Brasil

País ficou mais atraente para os EUA, após acordo o Mercosul- UE e pode ser usado na guerra comercial com a China

BRASÍLIA – O acordo entre o Mercosul e a União Europeia (UE), fechado no fim de junho, tornou o Brasil mais interessante, sob o ponto de vista econômico-comercial, do que quatro meses atrás, quando o presidente Jair Bolsonaro visitou os Estados Unidos.

O simples anúncio de que o bloco sul-americano havia concluído as negociações com os europeus, após duas décadas de idas e vindas, fez com que países como Japão, Canadá, Coreia do Sul e Cingapura demonstrassem disposição para acelerar as discussões em torno de tratados de livre comércio.

Além disso, existe a perspectiva concreta de mais um parceiro comercial abrir seu mercado para o Mercosul: o Efta, bloco formado por Noruega, Suíça, Liechtenstein e Islândia.

É nesse novo cenário que o presidente Donald Trump decidiu enviar a Brasília seu secretário de comércio, Wilbur Ross. O horizonte que começa a ser delineado em reuniões, nesta quarta-feira, entre Ross e o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, é cheio de possibilidades.

Por exemplo, a Casa Branca poderá negociar acordos tanto com o Mercosul – para o qual já tem mandato do Congresso americano até junho de 2021 – como com o Brasil.

Por outro lado, os EUA protagonizam, junto com a China, uma guerra comercial sem precedentes, que já dura quase dois anos.

Como alertou ao GLOBO o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, o Brasil seria usado estrategicamente nessa briga por Trump da seguinte forma: reduziria as tarifas de importação para produtos americanos industrializados, que poderiam entrar no país, se não mais baratos, a preços competitivos em relação aos chineses.

Em termos de interesses comuns para um ambicioso tratado entre Brasil e EUA, o leque é variado. Estão sobre a mesa desde medidas de facilitação do comércio para reduzir burocracias, custos e prazos no intercâmbio bilateral, até a negociação de acordos de proteção de investimentos e do fim da dupla tributação.

Empresários dos dois países assistem, animados, a essa aproximação. Esperam, por exemplo, a participação do Brasil no programa americano Global Entry – que oferece trâmites mais céleres e facilitados para a entrada de executivos brasileiros nos EUA.

Querem, ainda, regras comuns sobre barreiras não tarifárias de natureza técnica, sanitária e fitossanitária.

Também são áreas de interesse mútuo defesa e segurança, energia, infraestrutura e agronegócio. No último caso, Brasil e EUA disputam entre si a venda de produtos agropecuários em terceiros mercados, inclusive na China. É um ponto considerado complexo por especialistas.

 

Via
O Globo
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios