Política

Após pedido de Bolsonaro, Procuradoria-Geral Eleitoral quer ouvir PSL

Presidente solicitou bloqueio do fundo partidário do partido

BRASÍLIA – A Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE) pediu que o PSL se manifeste sobre uma representação feita pelo presidente Jair Bolsonaro e 23 parlamentares do PSL. Na quarta-feira, eles solicitaram que a Procuradoria-Geral da República (PGR), órgão ao qual a PGE é ligada, pedisse ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o bloqueio do fundo partidário da legenda e o “afastamento cautelar dos atuais dirigentes”. A medida adotada pela PGE — de ouvir o alvo da representação, no caso o PSL — é considerada de praxe.

Bolsonaro e os parlamentares alegaram “indícios graves de irregularidades” nas contas do partido. Eles querem que o PSL fique impedido de movimentar os recursos já recebidos e proibido de receber novos repasses.

“É no mínimo prudente que os fatos aqui aduzidos sejam investigados com celeridade e, corroborado o indício, sejam tomadas providências cautelares para bloqueio de recursos e a sustação cautelar dos repasses do Fundo Partidário, além do afastamento cautelar dos atuais dirigentes sobre a gerência desses recursos públicos”, diz o documento.

Bolsonaro e os parlamentares afirmam que “a falta de transparência na prestação de contas é algo recorrente no partido” e citam supostas irregularidades nas prestações de 2014, 2015, 2016, 2017 e 2018. Eles ainda reclamam da resposta da direção do partido a um pedido de informações sobre as contas, afirmando que tratou-se de “verdadeira esquiva”.

A solicitação ocorreu “em nome da transparência, da moralidade e do resguardo e proteção do patrimônio público”. Além de Bolsonaro, apoiam o pedido o senador Flávio Bolsonaro (RJ) e 22 deputados, entre eles o líder do PSL na Câmara, Eduardo Bolsonaro (SP), e o líder do governo na Câmara, Vitor Hugo (GO). O pedido foi mais um capítulo da briga entre Bolsonaro e o presidente do PSL, o deputado federal Luciano Bivar (PE), pelo controle do partido.

Via
O GLOBO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios