Lava JatoPolítica

Aras decide manter procuradores do grupo de trabalho da Lava Jato no STF

Grupo é formado por 6 procuradores e atua em casos relacionados a políticos com foro. Eles pediram desligamento na gestão de Dodge, mas voltaram quando interino assumiu.

A Procuradoria Geral da República (PGR) informou nesta quarta-feira (9) que o procurador-geral Augusto Aras decidiu manter os procuradores que atuam no grupo de trabalho da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

Veja também: LDO é a base da proposta de Orçamento da União para 2020. Texto aprovado prevê salário mínimo de R$ 1.040

O grupo é formado por seis procuradores e atua em investigações relacionadas a políticos com foro privilegiado no STF. Caberá ao procurador José Adonis Callou de Araujo Sá coordenar o grupo.

No mês passado, ainda na gestão de Raquel Dodge, os seis procuradores pediram desligamento do grupo.

Na ocasião, alegaram “grave incompatibilidade de entendimento” da equipe com uma manifestação enviada pela PGR ao STF relacionada à delação do empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS.

Veja também: TRF-2 autoriza viagem de Temer à Inglaterra para dar palestras

Cerca de 15 depois do desligamento, já após o fim do mandato de Dodge, o então procurador-geral em exercício, Alcides Martins, anunciou o retorno dos seis procuradores ao grupo.

Agora, eles foram confirmados nos cargos pelo novo procurador-geral.

O grupo de trabalho

De acordo com a PGR, as funções do grupo são: coletar depoimentos; coletar provas; ir a audiências; requisitar informações; e participar de negociações sobre acordos de delação premiada.

O Grupo de Trabalho será formado por:

  • José Adonis Callou de Araújo Sá (coordenador);
  • Alessandro José Fernandes de Oliveira;
  • Hebert Reis Mesquita;
  • Leonardo Sampaio de Almeida;
  • Luana Vargas Macedo;
  • Maria Clara Barros Noleto;
  • Victor Riccely Lins Santos.
Via
G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios