Justiça

Aras diz que Procuradoria deve ‘conciliar conflitos, não promovê-los’

Aras falou também que o Judiciário brasileiro está "engessado"

Oprocurador-geral da República, Augusto Aras, disse que o Ministério Público deverá ser pautado pela segurança pública. O PGR falou, em entrevista ao programa Interesse Público, da própria Procuradoria federal, que dará os primeiros passos nessa direção em 2020.

“A todos e a todas que nos assistem, 2020 é o ano em que começaremos a realizar as nossas balizas principais”, comentou ao dizer que o Ministério Público Federal realiza estudos em conjunto com o Conselho Nacional de Justiça e o Ministério da Justiça e Segurança Pública.

“O desenvolvimento econômico com destravamento da economia. E o desenvolvimento também de políticas públicas voltadas para a segurança pública em todo o território nacional.”

Aras falou também que o Judiciário brasileiro está “engessado”, e destacou a função da Procuradoria no destravamento de ações. “Tornar o Ministério Público em uma instância capaz de conciliar conflitos, e não de promovê-los, como vem sendo a praxis nesses tantos anos de existência.”

A modernização da Procuradoria e otimização de recursos orçamentários estão entre as prioridades, disse Aras.

Bem como o compartilhamento de informações e boas experiências “através de um novo órgão que está sendo estruturado por colegas subprocuradores da República para reunir todas as forças-tarefas”.

“Assim, com respeito ao promotor e procurador natural, promover todos os meios para que em cada Estado, em cada município, com o membro que tenha o vínculo institucional com a causa, nós possamos fornecer recursos suficientes para atender a demanda no combate não somente à macro e à microcriminalidade, mas também desenvolver os melhores trabalhos no que toca ao desenvolvimento econômico”.

Via
POR ESTADAO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios