CuriosidadesNotícias

Árvores plantadas por Burle Marx no Parque do Flamengo florescem após mais de 50 anos

A espécie leva de 40 a 70 anos para dar flores e poderá ser apreciada por cerca de um ano e meio a dois anos

RIO — “A árvore tem o direito de nascer, crescer e viver. E o direito de fazer amor. Algumas fazem isso ainda criancinhas. Outras demoram 70 anos e morrem em seguida”, disse certa vez Roberto Burle Marx sobre a palmeira Talipot (Corypha umbraculifera), que hoje tem algumas de suas árvores explodindo em milhares de minúsculas flores brancas no Parque do Flamengo. Há sete exemplares da espécie — original da Índia e Sri Lanka e introduzida no parque (e no país) pelo paisagista nos anos 1960 — em floração em plena primavera no Rio. Detalhe: como Burle Marx explicou poeticamente, essa palmeira só floresce uma vez, depois de décadas, e, em seguida, entra num lento processo de morte.

Uma beleza que chama a atenção de quem passa pelo parque, a pé ou de carro. E poderá ser apreciada por cerca de um ano e meio a dois anos, tempo de vida da Talipot. A espécie, afirma a paisagista Denise Pinheiro, que trabalhou com Burle Marx, leva de 40 a 70 anos para dar flores. O que nos faz crer que essas gigantes — elas chegam a 25 metros — carregadas de florzinhas são do grupo pioneiro do parque. É que, desde os anos Barroso nega habeas corpus a policial federal que colaborava com tráfico1990, houve replantios, um deles durante a revitalização da área, em 2000.

— Depois de um ano, um ano e meio, acaba a floração e vem a frutificação. Ela dá frutos pequenos, que lembram uma noz e formam tapetes em volta dela. Depois disso, ela vai definhando —diz Denise, mostrando folhas mortas em frente ao Hotel Glória com cerca de três metros.
Mistério sobre mudas

Nesse ponto, junto a um posto de gasolina, há 18 árvores, que têm apelidos como “palmeira do amor” e “palmeira dos cem anos” (tempo que duraria em sua terra natal). Cinco estão em flor. Uma outra assim, no auge, enfeita a paisagem entre o MAM e o Monumento aos Pracinhas. Também tem uma florida perto da Marina da Glória.

O parque tem cerca de 70 palmeiras dessa espécie. Ao longo dos anos de 1960, conta Isabela Ono, paisagista do Escritório Burle Marx, foram plantadas mais de cem. Num fenômeno inesperado, algumas palmeiras em floração foram vistas próximas ao MAM, em 1992. Ou seja, menos de 30 anos depois da inauguração do parque, em 1965.

— Elas floresceram com 30 anos ou menos, mas foram plantadas já com alguns anos de vida. Roberto, na época, atribuiu o fenômeno aos herbicidas usados no parque — comenta Isabela Ono, lembrando que o paisagista, no entanto, não chegou a ver a palmeira plantada no seu sítio, em Barra de Guaratiba, florida. — Ele faleceu em 1994, e uma semana depois ela iniciou o processo de floração. Falaram que era uma homenagem da natureza para ele — recorda ela.

Para Denise, que escreve um livro sobre o parque com o ex-ministro da Fazenda Joaquim Levy, a Talipot é uma obra de arte:

— Ela é escultórica. A base das folhas forma um entrelaçado lindo, que reveste os troncos quando elas são jovens. Quando ficam com o tronco liso, é porque vão dar flor. É muito curioso, ela passa por todas as etapas da vida, juventude, adolescência…

Na velhice, as folhas descem até cair ao chão. Ciente do tempo particular dessas árvores, a fonoaudióloga Cristina Pinheiro buscava, na última quinta, sementes perto do Hotel Glória, após ver fotos num grupo de WhatsApp.

—Quero plantar uma na minha casa em Búzios. Mas, provavelmente, só será vista assim por meus filhos e netos. Restará a mim contar a sua história, que acho espetacular —dizia ela. —Se aqui não fosse tão sujo, faria um piquenique só para admirá-la.

Denise dá a dica: o plantio é feito com o frutinho, que deve ser enterrado maduro em areia lavada num depósito de plástico. É preciso paciência, e aguardar pelo menos seis meses para a planta despontar.

A floração não chega ser um evento raro, porque há palmeiras Talipot de diferentes idades no Aterro. É possível que, na próxima primavera, outras estejam tomadas de florzinhas.

Muito se sabe sobre elas, mas ainda resta um mistério. De onde Burle Marx trouxe os primeiros exemplares? Isabela diz que ele pode ter adquirido na Índia, por onde passou. Ele viajava muito. Outra possibilidade é que tenha trazido de Miami, Cuba ou de Caracas —antes de desenhar o Parque do Flamengo, ele deu vida ao Parque Del Este, na capital venezuelana.

Essa história será investigada pelo Instituto Burle Marx, recém criado. Com um acervo de mais de dois mil projetos paisagísticos, a instituição pretende botar disponível toda essa documentação para pesquisa e, claro, para as novas gerações.

O ciclo da Talipot, obra de arte na primavera carioca

Nome científico: Corypha umbraculifera

Origem: Índia e Sri Lanka

Altura: Pode chegar a cerca de 25 metros

Tempo de vida: Entre 40 e 70 anos

Floração: Só acontece uma vez. Após florescer, a árvore morre em dois anos

 

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios