CidadesDestaqueGeral

Avança candidatura do Sítio Burle Marx a patrimônio da humanidade

Técnicos da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) virão ao Brasil, em setembro, inspecionar o Sítio Roberto Burle Marx, na zona oeste do Rio de Janeiro. O local, onde o paisagista trabalhou e morou, guarda uma coleção com mais de 3,5 mil espécies de plantas tropicais e teve a candidatura a patrimônio mundial confirmada. A informação é da embaixadora Maria Edileuza Fontenele Reis, delegada do Brasil na entidade.

Depois de receber a documentação referente a candidatura, aprovada, a inspeção é o próximo passo a ser vencido. No segundo semestre, especialistas do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos) estará na capital fluminense. Eles vão confirmar as informações apresentadas no dossiê de candidatura, de 602 páginas, elaborado pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan) e o plano de preservação para o sítio.

O resultado da análise só será conhecido em 2020, na 44º reunião do Comitê do Patrimônio, quando o bem será referendado ou não. A cada ano, os países podem concorrer com apenas um sítio a patrimônio mundial. Este ano, na reunião do Comitê do Patrimônio Mundial, em Baku, no Azerbaijão, prevista para o próximo mês de junho, o Brasil concorre com a cidade de Paraty, na costa sul fluminense, cuja candidatura foi confirmada ano passado. A sede do evento em 2020 não foi ainda anunciada.

As visitas podem ser guiadas e incluem, além dos jardins, a Capela Santo Antônio da Bica – Tânia Rêgo/Agência Brasil

Tombado em 2000 pelo patrimônio cultural brasileiro, o sítio Burle Marx abriga coleção botânica e paisagística de plantas tropicais de todo mundo, espalhadas em jardins e lagos da propriedade. O terreno inclui manguezal, área de restinga e de Mata Atlântica.

Com a possibilidade de se tornar um bem mundial, o sítio recebeu R$ 5,4 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para obras de modernização. Os recursos são usados para melhorar o atendimento ao público, incluindo a reforma do prédio administrativo, instalação de refeitório, vestiários, espaço para pesquisas e laboratórios. O Iphan quer disponibilizar também catálogo do acervo georreferenciado e informatizado.

A expectativa é que, aprovado pela Unesco, o Sítio Burle Marx entre de vez no mapa do turismo – Tânia Rêgo/Agência Brasil

Quando ficar pronto, o local contará ainda com material de apoio à visitação, incluindo audioguias, mapa tátil e reproduções de obras para manuseio – voltados a pessoas com deficiência.

A expectativa é que, aprovado pela Unesco, o Sítio Burle Marx entre de vez no mapa do turismo, disse o diretor de cooperação e fomento do Iphan, Marcelo Brito. “A gente acredita que [com o tombamento mundial] a visitação turística pode ser intensificada e contribuir para maior sustentabilidade do próprio sítio, tanto por pesquisadores, que, esperamos, ampliem o interesse na questão da botânica, da paisagem, da preservação do meio ambiente, quanto pelo público, tendo em vista o acervo botânico e culturais ali presentes”, disse. Hoje, o local, distante cerca de 50 quilômetros do centro do Rio, tem capacidade para receber 140 visitantes por dia. Alguns, em geral, estrangeiros, agendam visitas com meses de antecedência.

A entrada na lista de patrimônio da Unesco, esclarece a administradora, não inclui aporte de recursos da instituição no bem, mas é “o último degrau que um bem pode subir em termos de importância no mundo”. disse Cláudia Storino. “ Isso estabelece determinadas regras de preservação para o bem e para o seu entorno, uma área em que certos cuidados devem ser mantidos”.

Tombado em 2000 pelo patrimônio cultural brasileiro, o sítio Burle Marx abriga coleção botânica e paisagística de plantas tropicais de todo mundo – Tânia Rêgo/Agência Brasil

Burle Marx ficou conhecido por desenvolver o conceito de jardim tropical moderno, uma mudança de paradigma no paisagismo mundial, de jardins românticos. Além do sítio que leva seu nome, onde viveu e trabalhou, são obras assinadas por ele, no Rio, o Aterro do Flamengo, os jardins do Museu de Arte Moderna (MAM), a Casa Roberto Marinho, onde hoje funciona museu de arte aberto ao público, e o Instituto Moreira Salles, todos na zona sul carioca.

O sítio fica aberto entre terça-feira e domingo, das 9h30 às 13h30. O ingresso custa R$ 10 a inteira. As visitas podem ser guiadas e incluem, além dos jardins, a Capela Santo Antônio da Bica, de 1681, a Casa Principal e a coleção de arte e de artesanato particular de Burle Marx. São mais de 3 mil peças. O endereço é Estrada Roberto Burle Marx, 2019, em Barra Guaratiba.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios