Justiça

Barroso nega habeas corpus a policial federal que colaborava com tráfico

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo, negou seguimento – julgou incabível – ao Habeas Corpus 176481, em que a defesa do policial federal Leonardo Carvalho Siqueira, condenado por integrar organização criminosa, pedia a revogação da sua prisão preventiva, decretada pela 2.ª Vara Criminal de São Pedro da Aldeia (RJ).

Veja também: Pessoas saqueando carreta frigorífica roubada na Feira de Acari

O policial foi condenado a 11 anos de reclusão em regime inicial fechado. Segundo a denúncia, provas colhidas nas Operações Dominação I e II revelaram que ele transmitia informações sigilosas de que tinha conhecimento em razão do cargo aos integrantes de uma organização criminosa que atuava na região dos Lagos do Rio voltada para o tráfico de drogas e de armas e lavagem de dinheiro.

As informações foram divulgadas no site do Supremo – Processo relacionado: HC 176481

O Tribunal de Justiça do Rio e o Superior Tribunal de Justiça – este em decisão monocrática -, negaram pedido para revogar a prisão.

Defesa

No habeas corpus impetrado no Supremo, a defesa alegou, entre outros pontos, que Leonardo Carvalho Siqueira está afastado de suas atividades e, portanto, não tem mais acesso a informações privilegiadas, e que as operações policiais que investigavam a organização criminosa já foram encerradas.

A defesa sustentou, ainda, que Leonardo está preso desde 2016 e, por isso, teria ‘direito à progressão do regime prisional ao qual foi condenado’.

 

Gravidade

Barroso observou que o habeas corpus foi impetrado no STF como substitutivo do recurso cabível – agravo regimental – no STJ contra a decisão monocrática lá proferida.

Nessas condições, segundo o ministro, o posicionamento da Primeira Turma do STF é no sentido da extinção do processo sem julgamento de mérito, pois ainda não houve decisão definitiva do Superior Tribunal de Justiça.

Veja também: Pescadores encontram sacos de metanfetamina avaliados em US$ 20 milhões em Mianmar

De acordo com o relator, não cabe, também, a concessão da ordem de ofício.

Barroso citou trechos da sentença que relatam que o policial federal se instalou ‘de forma propositada numa equipe da Polícia Judiciária para conseguir penetração na organização criminosa que passou a integrar, o que demonstra a gravidade do crime’.

O ministro destacou que, de acordo com as investigações, Leonardo estaria ‘extorquindo políticos e empresários com a promessa de conseguir evitar a Operação Dominação III em troca de R$ 1 milhão’.

Além disso, o réu tem ‘patrimônio incompatível com a renda declarada de policial federal’ e foi preso em flagrante por ‘possuir arma de fogo em desacordo com a legislação’.

Via
ISTOÉ
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios