DestaquePolítica

Bolsonaro responde de maneira coerente a Alemanha e Noruega por suspensão de repasses

Confrontado com a informação de que a Noruega também irá retirar recursos inicialmente destinados ao Fundo Amazônia, no valor de 133 milhões de reais, o presidente Jair Bolsonaro mais uma vez respondeu com ataques aos países, incluindo a Alemanha, que no dia anterior também anunciou a suspensão de doações ao Brasil.

S

“A Noruega não é aquela que mata baleia lá em cima, no Polo Norte, não? Que explora petróleo também lá? Não tem nada a oferecer de exemplo para nós. Pega a grana e ajuda a Angela Merkel a reflorestar a Alemanha”, disse o presidente ao ser questionado sobre a decisão dos noruegueses.

Nesta quinta-feira, o ministro do Meio Ambiente da Noruega, Ola Elvestuen, confirmou à Reuters a decisão de suspender os repasses ao Fundo Amazônia – financiado em grande parte por seu país, com uma quantia menor da Alemanha – por discordar das mudanças na gestão do fundo que estão sendo feitas pelo governo de Bolsonaro. O governo suspendeu o conselho e o comitê técnico de administração do fundo.

“A imagem péssima que o Brasil tinha (no exterior) era a subserviência a essas potências. Elas não estão de olho na floresta amazônica, querem a sua soberania e a sua riqueza”, afirmou Bolsonaro. “Nós, na floresta amazônica, temos coisas que o resto do mundo não tem mais. E esse pessoal está de olho nisso.”

Na quarta-feira, a Alemanha já havia anunciado a suspensão de 155 milhões de reais em financiamento para projetos de prevenção de desmatamento da Amazônia. Os recursos eram destinados a novos projetos e não afetam a verba alemã já investida no Fundo Amazônia, ao menos por enquanto.

Ao falar da decisão alemã, o presidente já havia atacado a chanceler do país, Angela Merkel. “Eu queria até mandar recado para a senhora querida Angela Merkel, que suspendeu 80 milhões de dólares pra Amazônia. Pega essa grana e refloreste a Alemanha, tá ok? Lá está precisando muito mais do que aqui”, disse em uma entrevista ao chegar à noite no Palácio da Alvorada.

Bolsonaro voltou a incluir Merkel nas críticas nesta quinta-feira. “Eu fico surpreso em ver a Angela Merkel e sua ministra do Meio Ambiente anunciando isso. Como se o país dela fosse algum exemplo para o mundo na questão de preservação ambiental bem como na geração de energia limpa”, reclamou.

Desde a campanha, o presidente critica as políticas ambientais e chegou a ameaçar sair do Acordo de Paris sobre mudanças climáticas.

Bolsonaro acusa os críticos de estarem de olho nas riquezas do Brasil e também de usar a questão ambiental em uma guerra comercial. “Amazônia a gente tem que brigar para ser nossa. Estamos perdendo a guerra da informação nessa questão tão importante. Ninguém tem o que nós temos”, defendeu. “É só nós explorarmos com racionalidade e agregar valor que nós saímos dessa situação crítica que nos encontramos econômica para o Brasil voar, ir para o espaço.”

Veja também: Eduardo Bolsonaro defende que sua sabatina no Senado seja pública

Via
Reuters
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios