Política

Bolsonaro se aproxima de Skaf para recompor base em SP

O presidente Jair Bolsonaro se aproximou do presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf (MDB), e tem delegado ao dirigente empresarial papel estratégico na reestruturação da base de apoio ao Palácio do Planalto no Estado.

Veja mais: Milhares de ‘peixes-pênis’ são vistos em praia da Califórnia

Além da ponte com empresários – segmento que, segundo as pesquisas, confere a melhor aprovação ao governo federal -, Skaf é visto como um potencial dirigente do Aliança pelo Brasil, partido que os bolsonaristas tentam criar. A ideia é que o presidente da Fiesp assuma o comando do diretório estadual da futura legenda e se cacife como possível candidato ao Palácio dos Bandeirantes em 2022.

O plano dos bolsonaristas também prevê que o apresentador José Luiz Datena seja candidato a prefeito da capital no ano que vem. As conversas com o jornalista estão avançadas e vêm sendo acompanhadas de perto pelo presidente da Fiesp. “Fizemos contato com Skaf e ele simpatiza com a proposta de criação da Aliança”, disse ao Estado o advogado Luís Felipe Belmonte, já anunciado como vice-presidente do futuro partido. O presidente é o próprio Bolsonaro.

O movimento tem o respaldo da bancada bolsonarista na Câmara e o aval dos filhos do presidente, segundo aliados do Planalto. “Acho que qualquer coisa que Bolsonaro escolher nesse sentido a gente vai ficar muito contente. Confiamos no poder de julgamento do presidente”, afirmou a deputada Carla Zambelli (PSL-SP).

A ruptura com seu ex-partido, o PSL, fez Bolsonaro perder aliados em São Paulo, como a deputada federal Joice Hasselmann (mais informações na pág. A8), e seu filho, o também deputado Eduardo Bolsonaro, foi destituído da presidência do diretório paulista da legenda.

Veja mais:Após vitória em eleição, Boris Johnson se encontra com a rainha Elizabeth II

Empresários

O setor empresarial é hoje o que mais apoia o governo. Conforme uma sondagem divulgada nesta quinta-feira, 12, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), 60% dos empresários consideram o governo “ótimo” ou “bom”. Em outra pesquisa, encomendada pela entidade ao Ibope, os entrevistados aprovaram com altos índices a atual condução da política econômica do governo. Bolsonaro recebeu na quarta-feira o Grande Colar da Ordem do Mérito Industrial da CNI.

Skaf, que já liderou campanhas nacionais contra o aumento de impostos e apoiou o impeachment da então presidente Dilma Rousseff, ainda resiste a falar sobre sua eventual mudança de legenda. Ele, no entanto, tem dito que é um “incentivador da ideia” de criação da Aliança e acha importante que Bolsonaro tenha um partido. Politicamente, porém, o presidente da Fiesp está cada vez mais isolado no MDB, que se aproximou do governador João Doria (PSDB).

Em outubro, quando ainda vivia uma crise com o PSL, Bolsonaro se reuniu com Datena em São Paulo acompanhado de Skaf. O presidente divulgou nas redes sociais uma foto ao lado dos dois, tratados como “velhos conhecidos”.

A relação entre Skaf e Bolsonaro começou ainda no governo Dilma, quando um deputado de oposição subiu à tribuna da Câmara para criticar o presidente da Fiesp. Em seguida, Bolsonaro, então deputado federal, pediu a palavra e saiu em defesa de Skaf, que logo telefonou agradecendo o gesto.

Veja mais:Mais de 10 milhões de trabalhadores poderão sacar até R$ 998 do FGTS, diz Caixa

Antes disso, Skaf já mantinha uma relação estreita com os militares. Ele criou um conselho de defesa na Fiesp e convidou o general Gabriel Esper, ex-comandante militar do Sudeste, para ser assessor na entidade.

Bolsonaro e Skaf têm se falado com regularidade pelo telefone. O emedebista costuma dizer que se dá “pessoalmente” muito bem com o presidente da República. Neste ano, os dois se encontraram publicamente oito vezes, entre cerimônias, jantares e audiências. Dez ministros e 15 secretários estiveram 40 vezes na Fiesp em 2019 em eventos oficiais.

Em junho, o presidente da entidade promoveu um jantar para Bolsonaro em sua residência com 45 empresários de diferentes setores. Em outubro eles se encontraram na China, e Skaf integrou a seleta comitiva que participou da audiência de Bolsonaro com o presidente Xi Jinping. Duas semanas de depois, quando ocorreu em Brasília a 11.ª Cúpula dos Brics, o líder chinês ofereceu um jantar para Bolsonaro e Skaf foi o único presente que não era do governo.

A colaboração do líder da Fiesp com o presidente vai além do campo empresarial. Após a demissão, nesta semana, da então secretária do Audiovisual, Katiane Gouvêa – suspeita de cometer irregularidade em sua campanha eleitoral a deputado federal em 2018 -, Skaf organizou um jantar com representantes do setor e o secretário especial da Cultura, Roberto Alvim. Foi nessa ocasião que o ex-secretário municipal de Cultura de São Paulo, André Sturm, foi convidado e aceitou ocupar a vaga de Katiane.

Desde que decidiu entrar na política, Skaf sempre esteve próximo de governos, exceto na gestão Dilma. Ele foi do PSB, partido da base governo, na gestão Luiz Inácio Lula da Silva, e migrou para o MDB de Michel Temer em seguida. O presidente da Fiesp já se candidatou três vezes ao governo de São Paulo – e em todas foi derrotado. Em 2010, concorreu pelo PSB. Em 2014, pelo MDB, ficou em segundo lugar no pleito em que Geraldo Alckmin (PSDB) foi reeleito em primeiro turno. Em 2018, também pelo MDB, Skaf disputou e ficou em terceiro.

Procurado, o presidente da Fiesp não quis se manifestar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Via
ESTADÃO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios