DestaqueNotíciasSaúde

Brasil 4 meses após 1ª morte confirmada no país

Data real da chegada do novo coronavírus e número exato de infectados são difíceis de serem definidos com clareza. Além disso, só pesquisas ao longo do tempo explicarão o comportamento da pandemia nos estados e a capacidade do Brasil diante de uma possível vacina.

O Brasil completa neste domingo (12) quatro meses desde a primeira morte por Covid-19 oficialmente registrada no país. De lá para cá, o novo coronavírus matou 71,5 mil pessoas, com média diária superior a 1 mil na última semana.

Nesses quatro meses, os brasileiros aprenderam a conviver com medidas de proteção: evitar aglomerações, higienizar bem as mãos e superfícies e, quando possível, permanecer em casa. A ciência também vem aprendendo mais e mais ao avançar na busca por uma vacina ou por tratamentos comprovadamente eficazes.

Ainda assim, há alguns mistérios sobre a pandemia do novo coronavírus no Brasil que ainda devem ser esclarecidos ao longo do tempo, com pesquisas e estudos.

  1. Quando o vírus realmente chegou ao Brasil?
  2. Qual o real número de casos de Covid-19?
  3. Por que o surto está diminuindo em algumas cidades?
  4. O Brasil terá condições de debelar a pandemia com vacina?

 

Veja mais detalhes abaixo

 

1. Quando o vírus realmente chegou ao Brasil?

 

12 de junho de 2020 - Coveiros fazem exumação de corpos enterrados há 3 anos no cemitério da Vila Formosa, em São Paulo, durante a pandemia do novo coronavírus no Brasil — Foto: Andre Penner/AP
12 de junho de 2020 – Coveiros fazem exumação de corpos enterrados há 3 anos no cemitério da Vila Formosa, em São Paulo, durante a pandemia do novo coronavírus no Brasil — Foto: Andre Penner/AP

Embora o primeiro registro oficial tenha sido relatado em 26 de fevereiro em um paciente de São Paulo proveniente na Itália, há a suspeita de que o novo coronavírus tenha chegado antes disso. Porém, ainda não existe consenso de quando o vírus começou a circular no Brasil. Afinal, nem sempre a doença se manifesta nos infectados, e nem todos os casos foram reportados às autoridades de saúde.

Ainda assim, os especialistas duvidam que o novo coronavírus tenha chegado ao Brasil muito antes da primeira confirmação. Caso o vírus realmente circulasse no país desde novembro — como sugeriu um estudo feito no esgoto de Florianópolis — os hospitais brasileiros teriam percebido a alta na demanda por atendimento já naquela época, o que não aconteceu.

“A dinâmica da epidemia não fala muito sobre o vírus ter entrado muito antes. Em princípio, a versão original é mais verossímil”, aponta o médico Gerson Salvador, especialista em infectologia pela Universidade de São Paulo (USP).

Na mesma linha, o professor Alexandre Barbosa, chefe de Infectologia na Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia, diz que outros fatores podem ter confundido as análises de esgoto.

“Existem várias possibilidades [para o resultado], como a reação ter apresentado um resultado cruzado com outros coronavírus que causam resfriado comum ou outros vírus parecidos com o Sars-CoV-2 que não infectam seres humanos”, analisa Barbosa.

2. Qual o número real de casos de Covid-19?

 

Os epidemiologistas, porém, são unânimes: há subnotificação, ou seja, existem mais casos de Covid-19 desde o início da pandemia no Brasil do que o oficialmente relatado. Tanto por pacientes assintomáticos quanto por falta de testes. Por isso, não se sabe com clareza quantas pessoas o novo coronavírus realmente infectou.

Segundo Alexandre Barbosa, mesmo se todos os doentes fossem testados com os melhores testes disponíveis, haveria ao menos de 30% a 40% pacientes infectados que não apresentaram sintoma. No caso do Brasil, a situação é ainda mais grave porque não há testes para todos.

Leia mais:

“E pior: o Brasil testa na maioria das vezes com o tal ‘teste rápido’, que tem índice de falso negativo altíssimo na primeira semana porque depende da presença de anticorpos”, acrescenta Barbosa, que estima número real de casos de 5 a 10 vezes a mais do que o oficial.

O infectologista Gerson Salvador cita os estudos feitos pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) — que faz estimativas do real tamanho da doença a partir de testes aplicados em várias partes do Brasil — e relembra que, no início, os casos mais notificados eram justamente os mais sintomáticos.

“Agora tem havido mais diagnósticos, com mais testes. Então, a proporção dos casos com muitos sintomas deve ser menor”, diz Salvador.

 

3. Por que o surto está diminuindo em algumas cidades?

RJ, 12/05/2020 Estátua de Getúlio Vargas aparece de máscara — Foto: Marcos Serra Lima/G1
RJ, 12/05/2020 Estátua de Getúlio Vargas aparece de máscara — Foto: Marcos Serra Lima/G1

Alguns estados como Acre, Amapá e Rio de Janeiro registram queda no número médio de mortes diárias. Além das necessárias medidas de isolamento, dizem os infectologistas, tudo indica que há menor número de pessoas suscetíveis a se infectar pelo novo coronavírus. O real número de suscetíveis, porém, ainda é objeto de estudos.

Em parte, isso é causado justamente porque esses estados tiveram centenas de pessoas infectadas pelo patógeno e, portanto, adquiriram imunidade — se ela é duradoura ou não, ainda não está claro. O infectologista Gerson Salvador relembra que há estudos em andamento sobre a imunidade da Covid-19 — inclusive sobre respostas imunológicas que vão além dos anticorpos.

Leia mais:

“A gente vê a sorologia e vê quem tem anticorpo, mas hoje a gente estuda pessoas que não desenvolvem a doença por que têm resposta imunológica celular”, aponta Salvador.

O professor Alexandre Barbosa concorda, mas reforça que os governos não devem esperar que todos os suscetíveis se infectem como forma de debelar a doença.

Leia mais:

“Não adianta expor todo mundo para circular e se infectar porque aí você vai ter muitos óbitos”, explica.

4. O Brasil terá condições de debelar a pandemia com vacina?

 

Corrida de farmacêuticas para produzir vacina contra a Covid-19 envolve dezenas de projetos — Foto: Dado Ruvic/Reuters
Corrida de farmacêuticas para produzir vacina contra a Covid-19 envolve dezenas de projetos — Foto: Dado Ruvic/Reuters

Os infectologistas ouvidos pelo G1 dizem que, primeiro, é preciso saber se haverá vacina. Embora dois testes estejam em andamento já na fase avançada no Brasil — uma da Universidade de Oxford e outra de uma empresa chinesa — ainda não há nada confirmado.

“Primeiro: será que essas vacinas vão conseguir fazer anticorpos? Segundo: se elas fizerem anticorpos, eles serão protetores e evitarão a doença? Terceiro: quanto tempo dura esses anticorpos? Ninguém sabe. A gente tem que lembrar que a Covid-19 tem seis meses”, questiona Alexandre Barbosa, da Unesp.

Gerson Salvador, da USP, concorda: é preciso esperar para saber se as vacinas testadas darão certo. Ele, no entanto, é otimista quanto à capacidade do Brasil controlar a epidemia caso cheguemos a uma vacina.

“Enquanto houver produção em escala industrial, o Brasil tem condições, sim. O país tem um dos sistemas de vacinação mais avançados do mundo”, relembra Salvador.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios