Economia

Brasil passa da 72ª para a 71ª posição em ranking de competitividade mundial

Ranking calculado pelo Fórum Econômico Mundial considera 141 países. Cingapura, Estados Unidos e Hong Kong lideram ranking.

O Brasil ganhou uma posição no ranking das economias mais competitivas do mundo, subindo para a 71ª colocação em 2019 – no ranking de competitividade elaborado desde 1997 pelo Fórum Econômico Mundial. O documento, que considera 141 países, foi divulgado nesta quarta-feira (9). Quanto menor o número, mais alta a posição no ranking.

O levantamento é uma espécie de termômetro do nível de produtividade e das condições oferecidas pelos países para gerar oportunidades e para que as empresas possam obter sucesso. No ranking de 2019, que considera resultados do ano de 2018, Singapura liderou o ranking, seguido pelos Estados Unidos e por Hong Kong.

Ao todo, para fazer essa comparação, o índice considera 12 pilares: instituições, infraestrutura, adoção de tecnologia da informação, estabilidade macroeconômica, saúde, habilidades, mercado de produtos, mercado de trabalho, sistema financeiro, tamanho do mercado, dinamismo nos negócios e capacidade de inovação.

Meta do Brasil

O secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec), Carlos Alexandre Da Costa, afirmou que a meta do governo é atingir, em 2022, a colocação de número 50 no ranking, ou seja, com uma melhora de 21 posições em relação ao patamar de 2018.

“Não é vender sonhos, é factível. Fomos muito no detalhe, com diagnóstico ação por ação”, declarou.

Para melhorar a posição do Brasil no ranking, o Ministério da Economia informou que trabalhará em seis projetos:

  • Simplifica: buscará remover obstáculos à produtividade e competitividade das empresas, por meio da remoção de barreiras regulatórias e legais.
  • Emprega +: objetivará elevar a qualificação de capital humano e a taxa de emprego.
  • Concorrência para Prosperidade: objetiva aumentar a concorrência e a eficiência dos mercados.
  • Pró Infra: buscará elevar a infraestrutura brasileira a níveis internacionais de preço e qualidade.
  • Brasil 4.0: objetivará promover a modernização das empresas via inovação, digitalização e capacitações gerenciais.
  • Prospera MPEs: buscará desenvolver os pequenos e médios negócios de forma inovadora sustentável.

Segundo o secretário Carlos da Costa, a convicção da equipe econômica é de que o Brasil precisa “equacionar o tamanho fiscal do Estado” para voltar a crescer.

“Mas, simultaneamente, precisamos ter um grande salto de produtividade e competitividade no nosso país. Não é razoável que um pais do tamanho do Brasil fique em 71% no GCI [ranking de competitividade]. Grande oportunidade do país para crescer nos próximos anos é avançar em produtividade e competitividade”, afirmou.

  • Fonte G1
Via
FONTE: O GLOBO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios