Mundo

Brasil pode rever ação contra Índia sobre açúcar na OMC, diz Bolsonaro

Presidente brasileiro disse que já pediu ao chanceler Ernesto Araújo para rever a posição do país nesta questão

NOVA DELHI — O presidente Jair Bolsonaro acenou neste sábado com uma provável reviravolta na disputa do Brasil contra a Índia na Organização Mundial do Comércio (OMC) envolvendo subsídios indianos ao açúcar, o que poderá ter efeito no mercado internacional da commodity.

Depois de um encontro com o primeiro-ministro indiano Narendra Modi, no qual ambos anunciaram aprofundamento de relação estratégica, Bolsonaro foi questionado sobre a briga do açúcar levada pelo Brasil à OMC.

— Ele (Modi) me disse que o açúcar comerciado para fora equivale a 2% do montante. Então isso é pequeno, pedi ao Ernesto Araújo a possibilidade de rever essa posição do Brasil — disse o presidente.

Bolsonaro acrescentou que o Brasil não exigirá “nada em contrapartida”. Se esse recuo nos tribunais internacionais realmente ocorrer, será surpreendente. Há pouco mais de uma semana, o Brasil apresentou sua petição na OMC com os argumentos contra a ajuda governamental indiana para a produção e exportação de açúcar.

Na OMC, a Índia terá que responder nas próximas semanas aos argumentos do Brasil. A primeira audiência diante dos juízes está prevista para maio – a menos que o Brasil realmente retire a queixa.

Conforme o setor privado brasileiro, a depressão que os subsídios indianos provocam nos preços internacionais causam prejuízos anuais na faixa de US$ 3 bilhões a outros exportadores. Somente o Brasil estima perder entre US$ 1,2 bilhão e US$ 1,3 bilhão por ano com a política de subsídios indianos que resulta em enorme excesso de oferta.

A Índia estabeleceu plano de exportação de cinco milhões de toneladas em 2018/19, e fornece subsídios que estão vinculados a desempenho exportador – algo que atropela também as regras da OMC.

A Associação das Usinas de Açúcar da Índia confirma que só pode exportar com subsídios governamentais.

De seu lado, o setor privado e o governo brasileiro tentam estimular a Índia a diversificar e usar mais açúcar para produção de etanol, evitando assim o excesso da commodity no mercado internacional.

Depois do encontro com Modi, Bolsonaro observou que o etanol estava ganhando espaço no país asiático:

— Realmente essa tecnologia nossa vindo para cá, e eles querem isso aí, o que acaba nos favorecendo também, porque daí se produz menos açúcar aqui, apesar de uma quantidade não muito grande, ajuda a equilibrar o mercado e é um sinal de aproximação com a Índia muito forte com essa tecnologia.

O presidente brasileiro também falou na possibilidade de fabricar carros flex (movidos a álcool e gasolina) na Índia, o que contribuiria para que empresários fossem para a Índia para colaborar nessa área.

 

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios