EconomiaMundo

Brasil pode ser aliado de peso da Coreia do Sul, diz ex-embaixador

Para diplomata, Coreia do Sul precisa diminuir vulnerabilidades

Produtor relevante de grãos, de energia e de carne para o mercado internacional, o Brasil poderia se transformar em um aliado estratégico da Coreia do Sul, diminuindo dessa forma a dependência da nação coreana em relação ao Japão, à Rússia, aos Estados Unidos e à China. Essa é a tese que vem sendo defendida pelo diplomata Jeong Gwan Lee, que foi embaixador da Coreia do Sul no Brasil de 2015 a 2018.

Atualmente, Gwan Lee vive em Seul (capital da Coreia do Sul), onde dá aulas em universidades sobre relações internacionais, com foco em nações emergentes como, por exemplo, o Brasil. Na condição de ex-embaixador e acadêmico, ele propõe ideias relevantes sobre como a política de relações exteriores da Coreia do Sul pode levar o país a um melhor posicionamento geopolítico no mundo e, ao mesmo tempo, diminuir a sua vulnerabilidades.

Exemplo de decisão que aumentou a vulnerabilidade da indústria sul-coreana foi a iniciativa recente do Japão de retirar a Coreia do Sul da “lista branca” de países isentos de procedimentos para a aquisição de centenas de componentes tecnológicos japoneses considerados vitais para a fabricação de produtos de alta tecnologia coreanos. Isso irritou o governo sul-coreano, que fez dezenas de tentativas para um acordo com o Japão, sem resultados até agora.

O pesquisador aconselha ao próprio governo sul-coreano e às lideranças econômicas do país a terem cautela e a aumentar o leque de países que possam dar segurança ao país. Disse que, nesse aspecto, o Brasil pode ser um aliado que, por causa de sua importância em agronegócios, pode aumentar a segurança alimentar da Coreia do Sul.

Brasil aos Olhos da Coreia

O ex-embaixador escreveu o livro Brasil aos Olhos da Coreia. Na obra, dividida em três partes, Jeong Gwan Lee analisa as condições que podem ou não favorecer a meta brasileira de se transformar em uma nação de primeira grandeza no mundo.

Na primeira parte, o pesquisador faz um panorama das experiências vivenciadas no Brasil, incluindo as crises políticas e econômicas do país durante o período em que morou em Brasília. Na segunda parte, o professor explora os desafios para o desenvolvimento do Brasil. Aqui o pesquisador avalia o futuro brasileiro a partir das necessidades de mudanças para que o país ingresse em condições vantajosas na chamada Quarta Revolução Industrial. E, na terceira parte, Gwan Lee rememora os diálogos estabelecidos entre o governo sul-coreano e o brasileiro, quando as duas partes negociavam um plano para o estabelecimento de relações sólidas e duradouras. Esses diálogos deram início às conversações para a aprovação do Acordo Mercosul-Coreia do Sul. Os governos brasileiro e coreano acreditam que o pacto possa ser firmado em 2020, o que dará um grande impulso ao comércio entre os dois países.

O diplomata coreano disse que o governo brasileiro está na direção certa. Já iniciou o processo de cortar gastos, de acabar com o déficit orçamentário, de privatizar e de aprovar concessões. Jeong Gwan Lee disse que, com essas medidas, a economia brasileira avançará e o país pode afinal se tornar um poderoso aliado da Coreia do Sul e uma nação relevante no mundo.

*O jornalista José Romildo viajou para a Coreia do Sul a convite do KOCIS, o Serviço de Informação e Cultura daquele país.

Via
EBC
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios