Notícias

Caso Rachel Genofre: ‘Há 31 anos ele vem cometendo crimes’, diz delegado sobre suspeito de ter matado a menina

Carlos Eduardo dos Santos confessou o crime contra Rachel e está preso em Curitiba; corpo da menina foi encontrado em uma mala na Rodoviária de Curitiba há 11 anos.

O delegado da Polícia Civil Marcos Fontes disse que o suspeito de matar a menina Rachel Maria Lobo Oliveira Genofre, Carlos Eduardo dos Santos, de 52 anos, vem cometendo crimes há 31 anos.

Veja também: Heineken tem leve queda no volume de vendas de cerveja no Brasil

O primeiro deles, em julho de 1985, conforme o delegado, foi abuso sexual contra uma menina de quatro anos na cidade de São Vicente, em São Paulo. O último crime praticado pelo suspeito, de acordo com a polícia, foi de estelionato, em 2016.

“Um monstro. Esperamos sinceramente que ele seja condenado”, destacou Fontes.
O G1 tenta contato com a defesa de Carlos Eduardo dos Santos.

Durante as investigações, conforme a Polícia Civil, o suspeito praticou ao menos seis estupros contra crianças com idade entre 4 e 14 anos. No caso citado acima, conforme o delegado, ele convenceu a esposa, à época, para ela trabalhar como cuidadora da menina para facilitar a proximidade dele com a vítima.

Veja também: Dia do Fogo foi organizado por 3 grupos de Whatsapp, diz delegado

“Nós não temos ainda todas as informações pra saber as penas dos outros crimes e porque ele foi solto. Só sabemos que alguns foram desqualificados e em outros ele foi até absolvido”, disse a delegada Camila Cecconello.

Além dos estupros, Carlos é suspeito de ter praticado, em média, 17 crimes de estelionato e um roubo, ainda conforme a Polícia Civil.

A morte de Rachel foi em novembro de 2008. O corpo dela foi encontrado dentro de uma mala na Rodoviária de Curitiba. Carlos dos Santos foi reconhecido em setembro deste ano após a identificação feita através de um exame de DNA.

Ele está preso desde 2016 para cumprir pena de 22 anos por outros crimes e confessou o assassinato contra Rachel dizendo que agiu sozinho. Nesta terça-feira (22), o suspeito foi transferido para a Delegacia de Homicídios, na capital paranaense, e deve ser transferido para a Casa de Custódia.

Veja também: Deputados aprovam que policiais se infiltrem em grupos na internet para investigar criminosos

Sempre a mesma conversa

Carlos Eduardo dos Santos é suspeito de matar a menina Rachel Genofre e colocar o corpo em uma mala, em Curitiba — Foto: Ana Ziimmermann/RPC

Carlos Eduardo dos Santos é suspeito de matar a menina Rachel Genofre e colocar o corpo em uma mala, em Curitiba — Foto: Ana Ziimmermann/RPC

Conforme a delegada Camila, durante os vários crimes, a principal característica do suspeito era a de ludibriar e seduzir as vítimas e demonstrar sempre ser uma boa pessoa pra convencê-las a se aproximarem dele. “Ele sempre chegava com a mesma conversa”, disse a delegada.

Outra característica apontada pela delegada sobre Carlos Eduardo é a de que ele Carlos sempre fugia da cidade após ser descoberto.

Para conseguir emprego, o suspeito usava nomes falsos e sempre procurava o líder religioso de cada cidade para parecer solícito com a comunidade e se aproximar das possíveis vítimas, segundo a Polícia Civil.

“Nós estamos diante de um indivíduo manipulador, mentiroso compulsivo”, afirmou o delegado Marcos Fontes. Ele disse ainda que o suspeito não admite ser contrariado e que, diante disso, se torna extremamente violento.

Suspeito fingiu ser produtor de programa televisivo

Segundo a delegada Camila Cecconello, Carlos dos Santos falou com frieza sobre o que aconteceu com Rachel e não demonstrou arrependimento. À época do crime, ele morava a menos de um quilômetro da escola onde Rachel estudava, e a menina passava com frequência pela rua onde ele morava.

A delegada disse ainda que o suspeito contou que atraiu a menina para a casa onde estava morando dizendo que era produtor de um programa infantil de televisão e que Rachel ficou interessada.

Por conta disso, segundo ele, a menina aceitou ir até o local com a intenção de assinar um contrato para participar do programa.

Nova versão para o crime

Ainda conforme a Polícia Civil, Carlos Eduardo apresentou fatos diferentes sobre o crime em relação ao que ele já tinha dito no email anterior.

Veja também: Tutuca comandará pasta da Ancine resposável por Fundo Setorial do Audiovisual

“Os trabalhos prosseguem no sentido de verificar se as novas versões podem ter alguma credibilidade”, ressaltou a delegada Camila Cecconello.

Ela disse ainda que ele deve ser indiciado por estupro e homicídio triplamente qualificado por meio cruel, sem chance de defesa da vítima e para ocultar outro crime.

Via
G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios