Brasil

Cedae interrompe produção de Guandu ao detectar detergente em manancial e pede que população economize água

'Para garantir a segurança hídrica das regiões atendidas pelo sistema Guandu, a diretoria de Saneamento e Grande Produção da Cedae decidiu fechar as comportas da entrada do canal principal da estação', informou a companhia.

A Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) comunicou na noite desta segunda-feira (3) que foi interrompido o funcionamento da Estação de Tratamento de Guandu.

A empresa explicou que, no fim da tarde, “por meio de análise laboratorial” foi identificada “a presença de surfactantes (detergentes) na água bruta que chega à estação de tratamento”.

Em nota, a companhia também pediu que os “clientes usem água de forma equilibrada e adiem tarefas que exijam grande consumo”. De acordo com a Cedae, o abastecimento será retomado assim que o problema for solucionado.

“Para garantir a segurança hídrica das regiões atendidas pelo sistema Guandu, a diretoria de Saneamento e Grande Produção da Cedae decidiu fechar as comportas da entrada do canal principal da estação”, acrescentou a companhia.

De acordo com a empresa, “o material foi arrastado pelas fortes chuvas registradas na Região Metropolitana do Rio desde a noite de domingo (2)”.

Também segundo a empresa, técnicos da Companhia vão monitorar a captação de água “até que a concentração destas substâncias não represente risco à operação da estação”.

Estação de Tratamento Guandu — Foto: Divulgação/Cedae

Estação de Tratamento Guandu — Foto: Divulgação/Cedae

A Cedae informou ter comunicado a Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro (Agenersa) e o Instituto Estadual do Ambiente (Inea).

A interrupção do abastecimento ocorre a duas semanas do carnaval 2020, quando segundo projeções da Prefeitura do Rio a cidade deverá receber 1,9 milhão de visitantes – 20% a mais de turistas do que o registrado no ano passado, quando chegaram para a folia 1,6 milhão de pessoas.

Geosmina

Desde o início do ano, a população da Região Metropolitana do Rio tem se queixado da qualidade da água fornecida pela Cedae. Cheiro, gosto e turbidez do líquido são algumas das reclamações frequentes dos moradores de 170 bairros e várias regiões.

A Cedae atribuiu o problema a uma substância chamada geosmina, que segundo a empresa provocou as mudanças na água. A geosmina, disse a empresa, é uma substância orgânica produzida por algas e não representa nenhum risco à saúde dos consumidores

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios