Tecnologia

Cientistas procuram chave da porta do ‘mundo paralelo’

Leah Broussard, físico do Laboratório Nacional de Oak Ridge, tenta confirmar a existência da chamada "matéria-espelho" e abrir "portal"

Cientistas de vários países estão realizando experimentos para confirmar a possível existência de um “mundo paralelo”, o que desmentiria a teoria da física convencional.

Leah Broussard, físico do Laboratório Nacional de Oak Ridge, no estado de Tennessee, tenta confirmar a existência da chamada “matéria-espelho” e efetivamente “abrir um portal para um universo paralelo”, informa ao canal NBC News.

De acordo com a mídia, o experimento envolve o envio de um feixe de partículas subatômicas através de um poderoso ímã diretamente para uma parede impenetrável.

“Se o experimento for bem-sucedido, algumas das partículas se transformarão nas suas ‘versões de espelho’ e atravessarão a parede, fornecendo aos cientistas as primeiras evidências da existência de um ‘mundo paralelo'”, disse a cientista.

Comentando esse desenvolvimento, Broussard descreveu o experimento como “bastante simples” e explicou que os cientistas reuniram peças que encontraram “espalhadas por aí”, usando equipamentos e recursos que estavam disponíveis em Oak Ridge.

“Tudo se resume a saber se seremos capazes de fazer brilhar nêutrons através de uma parede”, disse ela, notando que não devemos ver nenhum nêutron se a teoria da física convencional estiver correta; mas se pelo menos alguns nêutrons aparecerem, isso significaria que “a física convencional está errada e o mundo paralelo é real”.

Segundo o artigo publicado no site de NBC News, no nosso mundo não encontraremos ‘as versões de espelho’ de nós próprios, mas a teoria atual admite que possamos encontrar átomos paralelos, pedras paralelas e até planetas e estrelas paralelas.

“Todos juntos eles podem formar um mundo de sombra, tão real como o nosso, mas quase completamente separado de nós”.

A NBC também sublinha que Klaus Kirch, do Instituto Paul Scherrer, em Zurique, também está realizando um “experimente complementar”, procurando capturar nêutrons lentos, atingi-los com um campo magnético e depois contar se todas as partículas ainda estão lá.

“Se alguns nêutrons oscilarem e se transformarem em nêutrons-espelho, eles desapareceriam de nosso aparelho”, explicou Kirch.

Via
Jornal do Brasil
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios