Política

Classe artística vê retorno do MinC com bons olhos

Representantes do setor lembram que autonomia e liberdade são fundamentais e elogiam Regina Duarte

RIO — A notícia de uma possível volta do Ministério da Cultura foi bem recebida por representantes da classe artística. Em geral, a ideia é de que se trataria de “um avanço em meio a um retrocesso”, como definiu o produtor de cinema Luiz Carlos Barreto.

— Ao voltar atrás, o governo prova que acabar com o ministério foi um erro — diz Barreto. — O governo Temer também tentou e se arrependeu. É uma indústria que movimentou trilhões no mundo todo.

Barreto, que critica a gestão de Roberto Alvim na secretaria (“uma pessoa insana”), lembra a importância do setor.

— A cultura é uma questão estratégica de Estado, não pode ser joguete na mão de políticos — diz o cineasta, comentando também a possível ida de Regina Duarte para a pasta. — Ela tem tudo para ser uma boa ministra. Tem ligação estreita com os meios artísticos. Se teve posições políticas erradas, isso não a desmerece.

A produtora cultural Paula Lavigne está torcendo para que a atriz aceite.

— Só o fato de ter essa possibilidade da volta do MinC já é um avanço — avalia. — Precisamos de gente de respeito. E não é porque Regina virou uma pessoa que apoia a extrema-direita que ela deixou de ser quem é. Lutamos contra o fascismo e isso eu não posso acreditar que Regina apoie.

O compositor Leoni considera que a ida da Cultura para o ministério do Turismo trouxe conflitos de interesses.

— Talvez com um ministério haja mais autonomia para lidar com questões como direito autoral — diz o músico.

O produtor Eduardo Barata, presidente da Associação dos Produtores de Teatro (APTR), que no sábado promoveu um encontro no Rio com a classe para discutir o futuro da cultura no país, afirma que a área só perdeu status por perseguição política:

— Só gostaríamos do MinC de volta se acompanhado da defesa de princípios fundamentais como educação, liberdade de expressão, liberdade religiosa e liberdade para criação artística. Repúdio para censura de qualquer espécie e sem dirigismo cultural. Esse é o ministério que queremos.

Via
POR: O GLOBO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios