Política

Com custo estimado em R$ 3 milhões, Lamsa começa a recuperar praça do pedágio da Linha Amarela

Cerca de 100 operários da concessionária já trabalham na reforma. Sem cobrar a tarifa, empresa estima prejuízo diário de R$ 1 milhão

RIO — Pouco mais de 24 horas após a prefeitura usar retroescavadeiras e marretas para retirar as cancelas, cones, câmeras e placas da praça do pedágio da Linha Amarela , a Lamsa , concessionária que administra a via, já começou a operação para reformar o local. Cerca de 100 pessoas foram mobilizadas na operação. A empresa estima que o custo da obra chegará a R$ 3 milhões, além de um prejuízo diário de R$ 1 milhão por dia em que a tarifa não é cobrada.

Além dos prejuízos contabilizados pela empresa, a justiça determinou uma multa de R$ 100 mil por dia em que a Lamsa não conseguir cobrar o pedágio. Como a Linha Amarela deve ficar sem cobrança por mais de um mês, o prejuízo total pode chegar a R$ 33 milhões.O Ministério Público do Rio instaurou um procedimento investigatório para apurar eventual conduta delituosa da prefeitura e solicitou à Polícia Civil uma perícia na via expressa, que já foi realizada.

Na sexta-feira, Crivella suspendeu unilateralmente o contrato com a Lamsa. Nesta segunda-feira, em transmissão ao vivo em redes sociais, o prefeito defendeu a ação na praça do pedágio da Linha Amarela . Ele rebateu críticas de que sua atitude teria fins eleitorais. Crivella afirmou que, ciente de que a Lamsa iria mais uma vez ao tribunal, precisava evitar que a concessionária pudesse voltar a cobrar pedágio. “Vai demorar um tempo para que volte”, disse ele no vídeo, em que reafirmou haver um “grande desequilíbrio econômico-financeiro” no contrato em desfavor da prefeitura. Ele disse ainda que, se não agisse, poderia ser acusado de improbidade administrativa. Crivella disse à Rede Record que estuda a possibilidade de assumir a gestão da Linha Amarela e instituir um pedágio de R$ 2, que seria cobrado uma vez só, num único sentido.

TCM analisou o contrato
O município alega que, desde o início da cobrança do pedágio, em 1998, até o fim de 2018, teriam passado pela Linha Amarela cerca de 151,2 milhões de veículos além do projetado na concessão. A prefeitura se baseia numa auditoria da Controladoria Geral do Município, que também constatou sobrepreço nas obras do 11º Termo Aditivo, em 2010, quando o contrato foi estendido até 2037.

O presidente do Tribunal de Contas do Município (TCM), Thiers Montebello, em entrevista à Rede Globo, contestou que o desequilíbrio contratual chegue a R$ 1,6 bilhão, como diz Crivella. Ele afirmou que análise dos técnicos do órgão estima o valor em R$ 481 milhões. Ele defendeu uma solução negociada para o impasse, com a redução do pedágio por um tempo ou do prazo da concessão

—Três auditores chegaram ao valor de R$ 481 milhões. São profissionais de altíssima qualificação. Pode variar um pouco para mais ou para menos, mas jamais R$ 1,6 bilhão. Há um desiquilíbrio no contrato. Mas a forma de se corrigir isso é contratual. Ou conversando ou judicialmente — sugeriu Montebello.

O relatório da CPI da Linha Amarela, concluído na semana passada, na Câmara de Vereadores, propõe que seja corrigido o desequilíbrio econômico-financeiro, mas não prevê a suspensão do contrato.

O advogado Fernando Vernalha, especialista em concessões e parcerias público-privadas (PPPs), criticou os os atos da prefeitura.

— Parece uma medida populista, incorre em desvio de poder e beira a improbidade administrativa — afirma, classificando a ação como arbitrária. — O município está sujeito à responsabilização, não só indenizatória. Os agentes que participaram, inclusive o prefeito, podem responder administrativamente, por improbidade. Eventualmente, pode haver a responsabilização criminal por dano ao patrimônio.

Para Cristina Fortini, diretora do Instituto Brasileiro de Direito Administrativo, o rompimento do contrato pode ocorrer por caducidade, por faltas graves da concessionária ou mesmo se o poder concedente julgar que ele não é mais válido — a chamada encampação. Ela acredita que a última hipótese seria a mais adequada no caso da Linha Amarela. Mas ela também destaca que o município não cumpriu os ritos:

— Nesse caso, a prefeitura teria que publicar uma lei autorizativa, abrir um procedimento administrativo e ouvir a empresa. Ao final, rompe o contrato. Ainda assim, indenizaria previamente a concessionária, se houvesse algum investimento ainda não amortizado — observa. — Agora, se a prefeitura for condenada a pagar uma indenização, quem paga é toda a população do Rio.

Procurada, a prefeitura não respondeu se abriu um procedimento administrativo para o rompimento do contrato, anunciado na sexta-feira. Mas informou que vai recorrer da decisão da Justiça. O presidente da Lamsa, Eduardo Dantas, por sua vez, afirmou que pretende cobrar do município o ressarcimento pelos danos

A Firjan-RJ repudiou o que chamou de “atos de vandalismo físico, jurídico e administrativo contra a concessionária” e de “ataque ao “patrimônio público e à segurança jurídica dos contratos de concessão de uma forma geral”. A Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias afirmou que “trata-se de um vandalismo de estado, com descumprimento de preceitos mínimos de cidadania”.

No balanço de 2018, a Lamsa informou que a receita bruta no pedágio foi de R$ 295,8 milhões naquele ano. Os custos e as despesas totais alcançaram R$ 86,7 milhões, sendo R$ 10,6 milhões apenas em conservação e manutenção.

 

Via
O GLOBO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios