GeralPolítica

Com uso de tecnologia, CGU evita prejuízos de R$ 812 milhões ao Estado

Sistema Alice foi desenvolvido em parceria com o TCU

Investimentos em tecnologia e na capacitação dos servidores permitiram à Controladoria-Geral da União (CGU) identificar indícios de irregularidades em 15 editais de licitação e pregões eletrônicos federais usando apenas ferramentas de análise de dados (data analytics) desenvolvidas pelo próprio órgão.

Desde o começo do ano, 15 processos de contratação de produtos ou serviços realizados por órgãos públicos federais já foram preventivamente suspensos ou cancelados graças ao acompanhamento sistemático de licitações e ao emprego de um sistema que a CGU desenvolveu em parceria com o Tribunal de Contas da União (TCU), o chamado Sistema Alice.

De acordo com o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, a ação poupou aos cofres públicos um potencial prejuízo da ordem de R$ 812 milhões. “Este ano, somente com a verificação de algoritmos, que faz a mineração de textos e identifica possíveis casos de corrupção em editais, já paramos mais de R$ 812 milhões em licitações. Sem nenhuma ida a campo”, celebrou o ministro ao defender o uso de novas tecnologias no enfrentamento à corrupção.

Sistema Alice
O Sistema Alice usa técnicas de mineração de textos para identificar irregularidades em editais de licitação e de pregões eletrônicos publicados no portal eletrônico de compras do Governo Federal, ComprasNet. As ferramentas desenvolvidas pela CGU e pelo TCU são capazes de identificar, eletronicamente, inconsistências nos textos dos editais, como falhas legais que possam comprometer os objetivos da licitação e o resultado do processo, causando prejuízos ao erário.

“Apenas cruzando informações da base do portal ComprasNet, o uso do sistema nos permitiu captar possíveis editais que trazem alguns indícios de corrupção. A partir daí, conseguimos atuar antes mesmo que problemas acontecessem”, explicou Rosário ao participar, hoje (27), da abertura do I Seminário Sobre Métodos Modernos de Combate à Corrupção, que acontece até o próximo dia 30, em Brasília.

Segundo a CGU, entre as evidências encontradas nos processos de licitação já suspensos ou cancelados estavam sinais de sobrepreço e de direcionamento do processo de escolha da empresa vencedora. Em alguns casos, não foi possível atestar que a administração pública federal tinha necessidade de contratar o produto ou serviço licitado.

Ao comentar os resultados alcançados pela CGU no combate à corrupção, Rosário defendeu a necessidade de que os diversos órgãos de controle trabalhem conjuntamente. “Temos exemplos de trabalhos e da importância da atuação conjunta. Não vai adiantar tentar desenvolver todas as capacidades em uma única instituição. Não é à toa que a CGU trabalha em parceria com a PF, com a AGU e com outros órgãos já há muitos anos. Cada órgão possui sua especificidade, mas, cada vez mais, devido à falta de pessoal e de recursos, vamos ter que pegar as especialidades de cada um e procurar trabalhar de forma conjunta.”

O ministro também ressaltou a importância de que os casos já identificados e apurados sirvam de base para a criação de mecanismos de prevenção, que impeçam ocorrências semelhantes. Para Rosário, é preciso “superar o ciclo” da detecção e investigação, passando à prevenção.

“A corrupção tem consequências diretas que são notadas no dia a dia do cidadão. São as filas nos hospitais, a falta de medicamentos, estradas ruins, má-educação e uma série de coisas. E há, também, as consequências indiretas, que afetam a toda a população, inclusive aos órgãos que combatem a corrupção. Quando verificamos os próprios órgãos de controle se digladiando enquanto temos problemas, isto é consequência da corrupção. Porque quando um país está tomado pela corrupção, as pessoas passam a desconfiar uma das outras e das instituições, o que gera uma dificuldade de romper este ciclo”, disse o ministro.

Matéria alterada para atualização de dados repassados pela CGU. No total, foram 15 processos de contratação suspensos ou cancelados e não dez, como informado inicialmente. O prejuízo evitado também foi atualizado para R$ 812 milhões

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios