Política

Congresso briga por controle de R$ 46 bilhões no Orçamento

Bolsonaro vetou trecho de projeto de lei que delegava autoridade a deputados sobre as prioridades na execução de emendas; parlamentares querem derrubar o veto

BRASÍLIA — No Congresso, há uma articulação para derrotar o governo e derrubar um veto presidencial logo no início de fevereiro. No fim de dezembro, o presidente Jair Bolsonaro vetou uma proposta que dá poder a deputados e senadores sobre a ordem em que serão executadas as emendas parlamentares pelo governo federal.

O trecho do projeto de lei vetado estipulava que os deputados e senadores seriam responsáveis por determinar a prioridade de execução das emendas de sua respectiva autoria. Por conta disso, o relator do Orçamento, Domingos Neto (PSD-CE), controlaria sozinho R$ 30 bilhões — valor total destinado às emendas de relator no Orçamento de 2020.

Pela primeira vez, o Poder Executivo não poderá deixar para pagar emendas parlamentares só no fim do ano. O Orçamento Impositivo, aprovado no ano passado, impede a suspensão total do pagamento de quatro tipos de emendas: individuais, de bancadas estaduais, do relator e das comissões.

Somados, são R$ 46 bilhões em despesas. São verbas de investimentos, custeio e seguridade social. A distribuição dessas emendas aos municípios no início do ano pode ter um efeito nas eleições municipais, segundo deputados — especialmente se o veto for derrubado e as prioridades de pagamento forem ditadas pelo Congresso, e não pelo Executivo. Mais de um quinto dos deputados são pré-candidatos a prefeito. Eles controlariam a prioridade dos pagamentos para suas próprias bases eleitorais.

Redação original

Justificando o veto, o líder do governo no Congresso Nacional, Eduardo Gomes (MDB-TO), diz que o governo e a assessoria do Ministério da Economia entenderam que, com a proposta, poderia haver “dificuldades de execução”. Ele aponta que o veto não é nenhum tipo de “afronta”, e sim uma questão de “capacidade gerencial” do Orçamento.

Domingos Neto lembra que a redação original dessa proposta veio do Executivo, através da Secretaria de Governo (o ministro da Economia, Paulo Guedes, não assinou o projeto). O deputado do PSD frisa que a responsabilidade de manejar as emendas de relator não será só dele, mas também dos líderes e dos presidentes da Câmara e do Senado.

— Isso é o que torna verdadeiramente impositivo o Orçamento, o Parlamento definir qual a prioridade desses investimentos — diz Domingos Neto.

Líderes partidários do MDB, PSD, SD e PP ouvidos pelo GLOBO dizem que o veto presidencial atinge o âmago do Orçamento Impositivo ao retirar dos parlamentares o poder de decidir sobre quais serão as prioridades dos investimentos.

— Se não derrubar o veto, o relator perde a autonomia e o Orçamento Impositivo fica sem a sua essência — diz Arthur Lira (AL), líder do PP na Câmara. — O governo vetou o coração (do projeto). Nos primeiros dias de fevereiro, o Congresso deve se debruçar sobre isso.

A derrubada do veto também fortalece o deputado Domingos Neto, que controlará a ordem de prioridades em diversas áreas. Alguns ministros já manifestam preocupação com o potencial status do parlamentar. Sem poder definir para onde vão investimentos, a equipe ministerial de Bolsonaro perde força perante o Congresso.

O governo poderá tentar reverter a situação enviando um novo projeto de lei ao Congresso Nacional, mas, a princípio, terá de seguir as determinações dos parlamentares e do relator do Orçamento

— Acho difícil acontecer isso sem negociação — pontua o líder de governo, Eduardo Gomes. — Não tem ambiente absoluto de buscar protagonismo, invadir atribuição. Esse ano vai ser mais calmo nesse aspecto.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios