DestaqueMundoSaúde

Covid-19: FDA libera uso de cloroquina e hidroxicloroquina para pacientes graves EUA

O uso do fosfato de cloroquina e do sulfato de hidroxicloroquina foi liberado nos Estados Unidos para o tratamento de pacientes com casos graves da Covid-19, que estejam internados em hospitais. A decisão foi tomada em caráter emergencial para o combate à pandemia causada pelo novo coronavírus.

Regras para uso nos Estados Unidos:

  • Tanto o fosfato de cloroquina quanto o sulfato de hidroxicloroquina devem ser administrados por um profissional de saúde com uma receita médica;
  • Os medicamentos somente podem ser utilizados no tratamento de adultos ou adolescentes com mais de 50 kg e em internação em decorrência da Covid-19;
  • Deve-se usar o estoque estratégico disponibilizado para o tratamento específico da Covid-19.

Na prática, a medida libera o uso dos remédios para o combate ao coronavírus mesmo que não haja um registro da FDA oficial e permanente para a Covid-19, evitando problemas judiciais aos hospitais.

Por enquanto, não há um tratamento disponível e totalmente testado contra a doença causada pelo novo coronavírus. A Organização Mundial da Saúde (OMS) acompanha as pesquisas científicas sobre novos medicamentos com potenciais riscos ainda em estudo.

Uso de cloroquina no Brasil

O protocolo para uso do fármaco no Brasil restringe a sua utilização a pacientes graves internados em hospitais. O tratamento deve acontecer por apenas cinco dias, sob supervisão médica. O Ministério da Saúde anunciou a distribuição de 3,4 milhões de unidades do medicamento para os estados brasileiros.

Uma nota técnica da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicada antes da liberação pontuava que o sucesso dos estudos pré-clínicos com o uso do medicamento justificava a pesquisa clínica em pacientes com a Covid-19. Nesse sentido, a agência destacava que dados de segurança e dados de ensaios clínicos de maior qualidade eram, portanto, urgentemente necessários.

 

Projeto Coalizão Covid Brasil

Foi lançado recentemente o Projeto Coalizão Covid Brasil, liderado pelos hospitais Albert Einstein, Sírio Libanês e HCor, além da Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva, para, entre outros objetivos, realizar testes clínicos com a cloroquina e a hidroxicloroquina.

O objetivo é realizar testes em 70 hospitais pelo país em mais ou menos mil pessoas com diferentes quadros: dos leves aos mais graves, inclusive aqueles que estão na UTI. A pesquisa deve durar entre dois e três meses.

 

A primeira fase da pesquisa envolverá pacientes de menor gravidade internados por Covid-19. Nestes pacientes será avaliado se a hidroxicloroquina é eficaz em melhorar o quadro respiratório. Também será avaliado se adicionar o medicamento azitromicina, que pode potencializar a ação da hidroxicloroquina, terá efeito benéfico adicional. Serão incluídos nesta primeira fase 630 pacientes.

A segunda fase da pesquisa envolverá casos mais graves, que necessitam de maior suporte respiratório. Nesta, todos os pacientes receberão hidroxicloroquina para verificar se a azitromicina tem efeito benéfico adicional, com potencial de melhorar os problemas respiratórios causados pelo novo coronavírus. Os centros participantes são os mesmos e serão incluídos em torno de 440 pacientes.

Já a terceira fase do estudo vai avaliar a efetividade da dexametasona, uma medicação com ação anti-inflamatória, para pacientes com insuficiência respiratória grave, que necessitam de suporte de aparelhos para respirar. Nesta pesquisa serão incluídos 284 pacientes.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios