Política

Deputado do PSL arranca cartaz sobre exposição contra o racismo

Placa quebrada por Coronel Tadeu associava polícia a genocídio de negros; debate domina Casa na véspera do Dia da Consciência Negra

Uma exposição que trata do racismo no Brasil virou motivo de bate-boca na tarde desta terça-feira, 19, na Câmara dos Deputados, véspera do Dia da Consciência Negra. O deputado federal Coronel Tadeu (PSL-SP) arrancou da parede da exposição uma imagem em que aparecia um policial, de arma na mão, e um rapaz negro estendido no chão, com a camisa do Brasil e algemado. No cartaz, lia-se a frase “O genocídio da população negra”. Após o episódio, o debate sobre racismo dominou o plenário da Casa.

Veja também: Governo prevê internet em 100% das escolas urbanas em 2020

O ato do deputado provocou reação imediata de deputados presentes na Casa. Houve bate-boca na saída da exposição e gritos de “racista” em direção a Tadeu. “Ele não suportou uma exposição que registra a presença negra na história do Brasil nos diversos campos. E veio aqui e arrancou parte da exposição, onde havia a denúncia de um genocídio negro no Brasil”, afirmou a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

“Ele arrancou tudo, destruiu tudo e cometeu o crime de racismo e quebra de decoro”, acrescentou. Jandira e outros parlamentares, como a deputada Benedita da Silva (PT-RJ), prometeram levar o caso ao Conselho de Ética da Câmara.

Desde o início do dia, a imagem arrancada por Tadeu vinha causando desconforto aos deputados da chamada “bancada da bala“. Mais cedo, o deputado federal Capitão Augusto (PL-SP) já havia encaminhado ao presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), um pedido para que o cartaz fosse retirado da exposição.

Veja também: Senado estuda Projeto de Lei favorável à prisão após segunda instância

“Conforme se verifica do conteúdo da imagem, há a absurda atribuição da responsabilidade pelo genocídio da população negra aos policiais militares, prestando-se, assim, verdadeiro desserviço junto à população que trafega pelas dependências da Câmara, retratando negativamente o salutar papel dos policiais militares para a manutenção da ordem pública no nosso país”, disse Augusto em seu pedido a Maia.

Na imagem, os cartazes jogados no chão pelo deputado Coronel Tadeu.

Na imagem, os cartazes jogados no chão pelo deputado Coronel Tadeu.

Foto: Gabriela Biló / Estadão

O deputado é presidente da Frente Parlamentar da Segurança Pública e da Comissão de Segurança Pública.

Após arrancar o cartaz, coronel Tadeu voltou a criticar a imagem. “Colocar a PM como responsável pelo genocídio é inaceitável”, afirmou ao Estadão/Broadcast.

Outro deputado do PSL questiona genocídio negro

No plenário, o debate é intenso. O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) questionou o genocídio negro. “Quando falam essa falácia aqui que o negro morre por ser negro é uma grande mentira”, disse. “Alguns vão à mídia para falar que acham que o negro morre, porque ele é negro. Ele morre, porque sustenta um fuzil”, afirmou.

Parlamentares da oposição criticaram a atitude do deputado Coronel Tadeu. “A violência de rasgar uma placa de uma exposição dentro do Congresso é compatível com a violência que se vê nas periferias e favelas por parte do Estado”, afirmou o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ).

Veja também: Rodovias do Tietê não paga investidores e preço de suas debêntures cai a zero

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) classificou como “inaceitável” a atitude. “É inaceitável, é desonroso para esta Casa que um deputado federal não tenha tolerância, não respeite a história dos negros no Brasil, não perceba a gravidade do genocídio praticado nessa sociedade contra a juventude negra e pobre da periferia do Brasil”, disse.

A bancada do PSOl afirmou que irá protocolar representação no Conselho de Ética da Câmara e na Procuradoria Geral da República contra o deputado Coronel Tadeu.

Via
TERRA
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios