Política

Diretor de filme sobre Olavo de Carvalho diz que foi sondado para ser secretário adjunto da Cultura

Josias Teófiilo confirma que aceitará convite oficial; José Paulo Soares Martins foi exonerado do cargo nesta quarta (22)

RIO – O cineasta Josias Teófilo confirmou ao jornal O GLOBO que foi sondado para ser o novo secretário adjunto da Cultura, substituindo José Paulo Soares Martins, exonerado nesta quarta-feira (22). A informação de que o diretor pernambucano havia sido procurado pelo governo federal foi antecipada por Matheus Leitão em seu blog no site G1.

Josias vincula sua ida para Brasília à definição da situação da atriz Regina Duarte, convidada por Bolsonaro para assumir a secretaria especial da Cultura no lugar de Roberto Alvim, demitido na sexta-feira (17) após copiar a frase de um discurso nazista em um vídeo oficial. Até agora, Regina ainda não definiu se aceitará o convite.

Teófilo dirigiu o documentário “O jardim das aflições”, sobre o ideólogo Olavo de Carvalho, boicotado por cineastas no Cine PE em 2017 e vencedor do prêmio de melhor filme no festival. O longa se apropria do título de um dos livros publicados pelo guru do núcleo duro do governo Bolsonaro para abordar sua rotina no interior da Virgínia, nos Estados Unidos.

Abaixo, a entrevista que Josias Teófilo concedeu por telefone na noite de quarta (22).

Você confirma que foi convidado para ser o novo secretário adjunto da cultura?

Fui sondado por gente do governo. Eu concordei em ir se for convidado oficialmente. Mas ainda falta o convite oficial, ainda precisa ver lá dentro, a própria Regina Duarte ainda precisa aceitar o convite para ser secretária especial da Cultura.

Caso venha o convite oficial, qual você imagina que pode ser sua contribuição no governo?

Quero colaborar, chegar com muita humildade, para ouvir, para sentir. Eu preciso sentar para estudar a situação e dar uma opinião mais abalizada. Fazer uma avaliação nesse momento é um pouco complicado.

O que acha da política cultural do governo até agora?

 

Eu acho que o governo e a classe artística podem se entender. A Regina está com um discurso pacificador. É a melhor coisa que se pode fazer no atual momento. Regina é uma artista, uma pessoa sensível, reconhece a necessidade do diálogo para um entendimento maior. Isso é muito bom. O próprio presidente parece gostar muito dela, está muito reverente a ela.

Você falou com Bolsonaro?

Não. Foi uma pessoa do governo que, por questão de respeito, prefiro não identificar. Foi há dois dias [segunda-feira, dia 20].

O que ficou combinado?

Eles ficaram de voltar a entrar em contato em breve. Estou aqui esperando ver o que vai acontecer.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios