DestaquePolítica

Discreto, novo diretor-geral da PF prega combate à corrupção

Nomeação de Souza ocorre depois que Alexandre Ramagem teve sua indicação suspensa por decisão do ministro Alexandre de Moraes

Novo diretor-geral da Polícia Federal, o delegado Rolando Alexandre de Souza já defendeu que políticos corruptos são mais perigosos que “traficantes da esquina” e que sua prioridade no órgão é combater a corrupção.

A nomeação de Souza ocorre depois que Alexandre Ramagem teve sua indicação suspensa por decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal).

Antes de chegar à Abin, em setembro de 2019, Souza era superintendente regional da PF em Alagoas. Discreto, sua aparição na imprensa ou nas operações realizadas pela PF no Estado era tímida.

Sob seu comando, a PF realizou operações contra a corrupção, principalmente no interior no Estado, como a ocorrida em setembro do ano passado, em São José da Tapera (220 km de Maceió). Na ocasião, oito pessoas foram presas, entre elas o ex-prefeito do município, Jarbas Pereira, acusadas de desvio de R$ 5 milhões do antigo Fundef.

Leia mais:

Em março de 2018, quando tomou posse na superintendência, Souza disse que o combate à corrupção era sua prioridade “número um”. “Nós temos vários outros crimes que são atribuições da Polícia Federal e nós devemos combater todos, mas o combate à corrupção é o número um deles.”

O delegado também foi chefe do Serviço de Repressão a Desvios de Recursos Públicos (SRDP), situado na sede da PF em Brasília. Em uma palestra em 2017, afirmou que políticos corruptos são mais perigosos que “traficantes da esquina”. “A corrupção mata. Achar que o traficante da esquina é mais perigoso que o político corrupto é uma falácia. Político mata muito mais que bandido”, declarou.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios