Economia

Dólar fecha em alta e vai a R$ 3,97, com aversão ao risco no exterior por disputa EUA-China

Nesta quarta-feira, a moeda norte-americana subiu 0,50%, a R$ 3,9746. Na máxima do dia, chegou a R$ 3,9926.

O dólar subiu nesta quarta-feira (7) e chegou a superar o nível de R$ 3,99 ao longo do pregão, diante do renovado sentimento de aversão ao risco no exterior por temores ligados à disputa comercial entre Estados Unidos e China.

A moeda norte-americana subiu 0,50%, vendida a R$ 3,9746. Veja mais cotações. Na máxima da sessão, o dólar foi a R$ 3,9926.

Na parcial do mês, a alta do dólar é de 4,09%. No ano, a valorização é de 2,59% ante o real.

Guerra comercial
A cautela voltou a imperar nos mercados globais nesta quarta-feira em face da perspectiva de uma nova escalada nas tensões entre Estados Unidos e China.

“Continuamos totalmente reféns do movimento de fora… O mundo está bastante instável, há bastante aversão ao risco, preocupações com a questão cambial”, disse à Reuters o economista da consultoria Tendências, Silvio Campos Neto.

Na terça-feira, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, minimizou temores de uma guerra comercial prolongada, apesar de um alerta do governo chinês de que classificar o país como manipulador cambial terá consequências severas para a ordem financeira global.

O porta-voz da Administração Estatal de Câmbio chinesa disse nesta quarta-feira que a ação dos EUA vai piorar seriamente o ambiente econômico e prejudicar o crescimento global.

Em meio aos persistentes temores sobre a disputa EUA-China, investidores denotam maior importância para eventuais declarações de autoridades do Federal Reserve (BC dos EUA), que vinham citando a guerra comercial como fator de risco à saúde da economia norte-americana.

Na véspera, o presidente do Federal Reserve de St. Louis, James Bullard, disse que o banco central dos EUA pode ficar preso a um ambiente comercial volátil por anos, mas não pode responder “ao vaivém diário” das disputas entre países sobre as regras do jogo.

Cenário local
A Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta quarta-feira o texto-base da reforma da Previdência em segundo turno e votará nesta quarta os destaques que podem suprimir pontos do texto, visando encerrar a tramitação da matéria na Casa e enviá-la ao Senado.

No entanto, as expectativas positivas com relação à tramitação da Previdência, inclusive no Senado, já estão consolidadas entre participantes do mercado e, portanto, noticiário sobre a reforma não deve beneficiar o câmbio, com atenções todas voltadas para o exterior, segundo a Reuters.

“Por enquanto, com o exterior dessa forma, é difícil (que Previdência dê alívio nos preços), e já era algo esperado. Se o governo conseguir que algum destaque prospere, pode trazer algum impacto, mas muito pontual”, acrescentou Silvio.

O Banco Central vendeu nesta quarta-feira todos os 11 mil contratos de swap cambial ofertados em leilão para rolagem do vencimento outubro. Em cinco operações até agora neste mês, o BC promoveu a rolagem de US$ 2,750 bilhões, de um total de US$ 11,5 bilhões.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios