Política

Doria e Covas iniciam obra de hospital e tentam mudar ‘fluxo’ da cracolândia

Autoridades anunciaram início das obras do Pérola Byington, que faz parte de ações para revitalizar a cracolândia; hospital vem sendo prometido desde 2013

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o prefeito da capital, Bruno Covas (PSDB), participaram na tarde desta terça-feira, 13, de uma cerimônia para marcar o início das obras do Hospital Pérola Byington, que será transferido da Avenida Brigadeiro Luís Antônio, na Bela Vista, para a Avenida Rio Branco, próximo à cracolândia, na Luz. As obras eram uma promessa do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) feita em 2013.

O hospital será construído pela empresa Construcap e operado pela Inova, braço da construtora que gerencia hospitais, em um modelo de Parceria Público-Privada (PPP). A empresa ficará encarregada de manutenção predial e de equipamentos, mediante pagamento mensal do Estado. A promessa é que as obras terminem daqui 36 meses, em 2022.

A obra foi anunciada por R$ 307 milhões, sendo que R$ 123 milhões serão pagos pela Inova e R$ 184 milhões pelo Estado, por meio de um financiamento com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A Construcap, em São Paulo, venceu a licitação para a gestão do Parque do Ibirapuera e aguarda a elaboração do plano diretor do parque para assumir a área. O grupo tem a gestão de hospitais estaduais em Sorocaba e São José dos Campos.

O atual local de funcionamento do Pérola Byington será desativado. O hospital fica em um prédio alugado por R$ 380 mil por mês. O centro cirúrgico e o centro de diagnósticos serão ampliados em 60%, segundo o Estado, no novo complexo hospitalar.

O Pérola Byington é o local da rede pública estadual de saúde que recebe pacientes mulheres para tratamento de sete tipos de câncer e de violência sexual, entre outros atendimentos.

Parte do atraso para o início das obras se deu por ação do Ministério Público, que apontou irregularidade no processo de escolha do terreno por parte do governo. O terreno do hospital foi definido pelo Plano Diretor da cidade de São Paulo como uma zona para a construção de habitações para famílias de baixa renda. O Estado teve de convencer a Justiça de que aquela era a melhor opção. O licenciamento só foi emitido pela Prefeitura em julho deste ano, quando a cidade tranferiu o terreno para o governo.

Cracolândia
Além da ampliação do atendimento do hospital, a mudança de endereço do Pérola Byington faz parte das mais recentes ações prometidas por Estado e município para tentar revitalizar a cracolândia, fazendo as ruas da região deixarem de serem pontos livres para venda e consumo de crack. Tentativas para resolver o problema fracassam desde o início dos anos 1990. No bairro, também estão sendo construídos edifícios residenciais para trazer mais moradores para a área.

No evento, ao tratar as ações da área, Covas tratou da transferência de equipamentos de saúde e assistência social da região, que atendiam os dependentes químicos que frequentam o “fluxo”, a aglomeração de usuários de crack, para outro equipamento, na Rua Porto Seguro, em outro ponto do bairro da Luz, distante três quilômetros dali.

“A ideia é ofertar um espaço onde ela tenha tratamento. A gente não manda as pessoas irem para lá ou para cá”, disse o prefeito, ao ser questionado se a transferência era uma tentativa de transferir o fluxo do centro para outro local. “A gente não manda, a gente orienta (a ida para locais de atendimento). Não há nenhuma obrigatoriedade, nenhuma ordem de expulsão”, afirmou o prefeito.

Segundo Covas, a cracolândia tem hoje entre 400 e 600 usuários de drogas no período da manhã e entre 1.400 e 1.500 no período da noite. O prefeito afirma que, quando a gestão Doria (da qual ele era vice) assumiu o mandato, em janeiro de 2017, eram cerca de 4.000 usuários.

Veja também: Acidente com dois ônibus e cinco carros fecha Túnel Marcello Alencar

Via
Estadão
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios