Política

Doria recua e pede revisão de protocolos da Polícia Militar após mortes em Paraisópolis

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), recuou, nesta quinta-feira, de sua defesa em relação à atuação da Polícia Militar no episódio que resultou na morte de nove jovens em um baile funk na favela de Paraisópolis , no último domingo.

Veja também: Brasileiro é detido por chacina de oito pessoas na Venezuela

Na segunda-feira, Doria havia afirmado que “nada mudaria” na Segurança Pública da cidade após a tragédia. Mas, após se reunir com mães de vítimas e receber vídeos de abusos policiais, o governador admitiu a necessidade de melhorias nas operações e a punição de “policiais que não cumprem o protocolo e desonram a corporação”.

A polícia já foi orientada (após o episódio) para rever protocolos e inibir, se não acabar, qualquer tipo de abuso que possa ocorrer. É inaceitável que a melhor polícia do Brasil use de força desproporcional e desnecessária, sobretudo quando não há reação dos cidadãos. Eu mesmo fiquei muito chocado quando vi as imagens do vídeo de outubro, em que um PM agride desnecessariamente jovens saindo de um local fechado — disse Doria, em coletiva nesta quinta-feira no Palácio dos Bandeirantes.

Na quarta-feira, Doria recebeu sete mães de vítimas, dois líderes comunitários de Paraisópolis, além de representantes da Defensoria Pública e da OAB. O governador afirmou que foi questionado por uma das mães, preocupada com sua própria segurança após críticas à operação policial de domingo. Doria diz ter selado um compromisso de que não haverá reação policial que ameace os envolvidos na tragédia.

Veja também: Bolsonaro institui Dia do Rodeio no Dia Mundial dos Animais

Não podemos transformar esse episódio num confronto entre polícia e a população e não podemos criminalizar nem a comunidade nem a polícia – afirmou Doria.

*Estagiária sob supervisão de Mauricio Xavier

Via
O GLOBO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios