Política

É uma decisão antidemocrática, diz Felipe Rigoni sobre punição do PSB

Suspenso por 12 meses, deputado não poderá encaminhar projetos na Câmara em nome do partido e perde direito a voto na bancada

Afastado pelo PSB de dez das doze comissões que participa na Câmara, o deputado federal Felipe Rigoni (PSB-ES) criticou a decisão tomada pela legenda nesta sexta-feira, em Brasília.

Por 82 votos, o PSB tirou de Rigoni e outros oito deputados todas as prerrogativas do Parlamento e do Executivo por até um ano. Isso significa que eles terão de entregar cargos em governos, caso tenham.

E perderão direito a votos na bancada da Câmara, além de ter de deixar as comissões quais foram indicados pela legenda a participar. Na mesma tarde, o diretório nacional expulsou Átila Lira (PI) da legenda por ser reincidente: contrariou o partido votando a favor da reforma trabalhista em 2017. Agora, Rigoni avalia se vai continuar filiado ao PSB.

Como o senhor recebeu essa punição do PSB?

O PSB conseguiu fazer a pior coisa que poderia fazer com os parlamentares porque pegou basicamente tudo que a gente fez ao longo do ano e por conta de uma decisão, um voto só, decidiu suspender a agente por um ano de quase todas as atividades que a gente pode fazer dentro do parlamento. Ou seja, está pegando tudo aquilo que eu construí no início do ano e não deixando fazer por até um ano. Além de ser decisão antidemocrática, mostra que o PSB não aceita muito a diversidade de pensamento.

O que o senhor pretende fazer para reverter essa decisão?

Não vejo muito espaço para recorrer dessa decisão dentro do partido. Agora, vou esperar um tempo para entender o que eu posso fazer porque para mim não dá para ficar um ano ou seis meses sem atividade parlamentar nas comissões. Sou relator de uma série de projetos importantes como caixa dois e também da PEC que trata das alterações do teto de gastos de regras fiscais. Para mim é inviável ficar sem atividade parlamentar nesse período.

O senhor se arrepende de ter votado a favor da reforma da Previdência?

De maneira nenhuma. Eu não votei na Previdência por uma questão política. Eu votei na Previdência porque estudei para caramba. Li o texto várias vezes. E percebi que a previdência que a gente votou e mais positiva que negativa. Ao contrário do Carlos Siqueira, que disse para mim, numa mesa de almoço que a gente não podia votar na Previdência porque não podia fazer esse governo dar certo.

O senhor pretende mudar sua postura no parlamento por causa dessa punição?

De jeito nenhum. Não faz sentido. Eu perderia toda a minha coerência.

O senhor vai continuar votando com suas convicções independentemente de próximas punições do partido?

Com certeza. Em vários momentos minhas convicções estão alinhadas às convicções do partido. Mas em outros momentos não é.

O senhor acha que ainda cabe nesse partido que te deixou de mãos atacadas no Parlamento?

Como vou continuo cabendo em um partido que por conta das minhas convicções quer me suspender? É uma decisão antidemocrática. Beleza, o partido tem de ter coerência? Tem de ser coerente. O partido tem de ser unido? Tem de ser unido. Se quiser tomar um direcionamento programático como parece que está querendo tomar, não adianta deixar nós parlamentares de mãos atadas. Tinha de expulsar, como vários pediram no fim das contas.

Pretende mudar de partido?

Eu ainda estou vendo o que dá para fazer, porque não é viável simplesmente sair. Não pude estar aí hoje, vou sentar com os dirigentes do partido, ver qual é a ação para frente de fato e decidir.

Se for avaliar uma mudança de partido, para qual seria?

Não sei. Já recebi convites. Vou sentar e avaliar. Essa decisão sobre para onde vou caso eu saia, não vou tomar rápido, não. Caso eu decida sair, vou provavelmente esperar um tempo para tomar uma decisão acertada.

Por que o senhor não participou da reunião?

Não era obrigatório participar e eu já outros compromissos que não podia adiar. Mas eu também já sabia que a decisão estava tomada. Minha presença não ia fazer diferença.

Se arrepende de ter escolhido o PSB?

Eu escolhi o PSB porque era um dos partidos que tinha assinado a carta com o movimento Acredito, que agora o presidente Carlos Siqueira nega. Mas ele assinou e temos a carta que diz que íamos ter independência.

Acha que foi traído pelo partido?

Com certeza. Nem diria traído, mas eu acho que ele pensou que seria uma carta não válida. Talvez ele achou que estava lidando com um bando de jovenzinho sem futuro, mas a gente teve, né.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios