Política

Eduardo volta a visitar senadores em campanha por embaixada

Deputado federal afirmou que quer mostrar "um Eduardo um pouquinho diferente" e disse que indicação não atrapalha tramitação da Previdência

Em campanha pelo Senado, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) declarou que quer mostrar “um Eduardo um pouquinho diferente” na busca por ter seu nome aprovado para a embaixada brasileira em Washington e que a indicação não deve afetar a votação da Reforma da Previdência na Casa. Ele destacou que a pauta comercial do Brasil com os Estados Unidos tem sido o tema mais recorrente nas conversas com senadores.

“São conversas particulares, eu converso com eles, eles demonstram interesse para saber se eu tenho as qualificações necessárias para assumir o cargo. É o momento para mostrar o Eduardo um pouquinho diferente do que por vezes sai na imprensa, enfim, conhecer eu como eu sou”, disse o deputado após visita ao gabinete do senador Jorginho Mello (PP-SC), nesta quinta-feira, 22.

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) é visto nos corredores do Senado, em Brasília (DF), nesta quinta-feira (22). Em périplo pelo Senado, o deputado declarou que quer mostrar "um Eduardo um pouquinho diferente" na busca por ter seu nome aprovado para a embaixada brasileira em Washington. Ele destacou que a pauta comercial do Brasil com os Estados Unidos tem sido o tema mais recorrente nas conversas com senadores.

O nome de Eduardo ainda não foi encaminhado pelo pai, o presidente Jair Bolsonaro, ao Senado. Para ser efetivada, a nomeação precisa de aval da Casa. Aliados do deputado avaliam que a indicação deverá ser oficializada no mês que vem – ainda durante a discussão da reforma da Previdência no Senado.

Eduardo tentou afastar o impacto de sua indicação na tramitação reforma. “Não. Não tem nada a ver”, disse quando questionado se a indicação contaminaria a reforma da Previdência no Senado. “Os senadores vão fazer juízo se eu sou merecedor ou não e ponto final. Outra questão é tributária, reforma da Previdência, armas, enfim, acho que não tem comunicação de uma coisa com a outra, não”, declarou o deputado.

O filho “03” aposta no perfil do Senado para que a agenda econômica do governo não seja obstruída pela discussão sobre a embaixada. A oposição, afirmou, vai usar “qualquer artifício” para tentar emperrar as propostas do Planalto, mas não teria sucesso ao esbarrar no compromisso dos parlamentares da Casa. “Normalmente o perfil dos senadores é um perfil mais experiente, são ex-governadores, eu acredito que isso aí não venha a comunicar uma coisa com a outra não.”

O grupo favorável ao nome do deputado na embaixada avalia que o ambiente para a aprovação melhorou nos últimos dias e calcula que o placar na Comissão de Relações Exteriores seja atualmente de nove votos a favor de Eduardo contra sete. Três parlamentares estariam indecisos, o que poderia inverter o placar. Depois do colegiado, a indicação ainda dependerá de uma votação no plenário.

Levantamento exclusivo feito pelo Estado na semana passada mostrou que, no momento, 29 senadores se posicionam contra a indicação de Eduardo, enquanto que 15 são favoráveis. Para a aprovação, é preciso que a maioria simples do plenário – 41 senadores – vote a favor. 29 não quiseram responder à reportagem e sete se disseram indecisos.

Cotado para a relatoria da indicação na comissão, o senador Chico Rodrigues (DEM-RR) também negou que o tema contamine a reforma da Previdência. “Zero. Uma coisa não tem relação com a outra. A questão do Eduardo é política, não é simplesmente de indicação para o posto de embaixador. Deveria haver uma interpretação política mesmo por parte dos senadores e ver a importância do posto”, declarou Rodrigues ao Broadcast Político.

Para o filho de Jair Bolsonaro, os senadores têm interesse na relação comercial entre os dois países e querem impulsionar a geração de emprego. Eduardo declarou que, se possível, estará com o presidente da República na Assembleia Geral da ONU, em setembro, nos Estados Unidos.

Via
Estadão
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios