DestaqueJustiça

Eike Batista assinou recibo de conta fantasma em raro vestígio deixado por organização criminosa, diz MPF

Empresário foi preso novamente nesta quinta-feira (8) e teve R$ 1,6 bilhão bloqueado. Eike ficará em Bangu 8, o mesmo presídio onde está Sérgio Cabral, para quem teria pago propina.

O empresário Eike Batista, preso mais uma vez nesta quinta-feira (8), pode ter criado provas contra si mesmo que o levaram novamente à cadeia. Recibos de uma conta fantasma atribuída a ele foram assinados pelo próprio empresário, segundo o Ministério Público Federal (MPF).

A investigação aponta que Eike e o sócio Luiz Arthur Andrade Correia, o Zartha, diretor de investimentos da EBX, recebiam informações privilegiadas e investiam no mercado financeiro sem que seus nomes aparecessem.

O documento foi incluído no pedido de prisão e, segundo a denúncia, é uma “importante prova de corroboração sobre como Eike Batista tinha ciência, controlava e era o mandante das operações ilegais” das contas fantasmas.

“Trata-se de um dos raros episódios em que uma organização criminosa, por desconfiança interna entre seus membros, deixa recibo e vestígio material das operações ilegais realizadas”, escrevem os procuradores.

Na mesma decisão que permitiu a prisão de Eike por cinco dias — renováveis por mais cinco —, o juiz Marcelo Bretas autorizou o bloqueio de R$ 1,6 bilhão em bens do empresário e de seus filhos.

Parte dos ganhos obtidos nos investimentos ilegais foram repassados ao então governador Sérgio Cabral (MDB). Ele recebeu US$ 16,5 milhões em propina à época — o equivalente a R$ 65 milhões na cotação atual.

Extrato de posição consolidada, assinado por Eike Batista, comprova que ele sabia de operações ilegais de contas-fantasma, segundo o Ministério Público Federal — Foto: ReproduçãoExtrato de posição consolidada, assinado por Eike Batista, comprova que ele sabia de operações ilegais de contas-fantasma, segundo o Ministério Público Federal — Foto: Reprodução

Extrato de posição consolidada, assinado por Eike Batista, comprova que ele sabia de operações ilegais de contas-fantasma, segundo o Ministério Público Federal — Foto: Reprodução

Recibo assinado

Eduardo Plass, sócio da TAI, se tornou delator na Lava Jato. Na versão dele, foi o próprio Plass quem pediu a Eike para assinar o recibo sobre a movimentação financeira de uma das contas fantasmas.

Priscila Moreira Iglesias, que trabalhava para Plass, também confirmou a versão em delação premiada.

“A depoente (Priscila) entregava uma folha impressa com a posição consolidada para Eduardo Plass, que, por vezes devolvia à depoente a folha assinada por Eike”, diz a delação dela.

As operações das contas fantasmas, ainda conforme a denúncia, eram realizadas por Luiz Arthur Andrade Correia, o Zartha. Ele foi diretor-financeiro da holding EBX e era um dos funcionários mais próximos de Eike.

Via
G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios