Economia

Em cúpula da OCDE, Paulo Guedes diz que Brasil priorizou salvar vidas

Durante cúpula com representantes da América Latina sobre estratégias para enfrentar a pandemia no cenário de informalidade, o ministro Paulo Guedes, da Economia, afirmou que a atuação do governo brasileiro priorizou salvar vidas e destacou a ação descentralizada. A reunião virtual feita pela OCDE aconteceu nesta segunda-feira (13).

Após meses de uma acirrada disputa de discursos entre os governadores que defendiam a quarentena e o governo de Jair Bolsonaro, que afirmava que o confinamento levaria uma crise econômica, Guedes afirmou em sua apresentação que a primeira frente de preocupação do governo brasileiro foi a de salvar vidas e enalteceu a atuação de prefeituras e estados e as transferências de recursos para governos locais.

Leia mais:

Em sua fala no painel de abertura da reunião regional, Guedes chamou os estados que mantiveram quarentenas de “estados mais cuidadosos”, onde a “doença não avançou tão rapidamente”.

No entanto, o ministro mencionou a demora para superar a crise como resultado do tamanho do país e do sistema federativo. “No Brasil, é impossível dizer quanto tempo vai durar [a pandemia] porque é um país muito grande e o processo de decisão descentralizada”, afirmou.

O Brasil é o país mais afetado pela pandemia da América Latina e segundo no mundo, com 72.100 mortes e mais de 1,8 milhão de contaminados, entre eles o presidente.

Discurso dissonante

Participando do painel de abertura da reunião ao lado dos representantes da República Dominicana, Costa Rica, Colômbia, Peru e da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), a fala do ministro da Economia destoou do discurso geral.

Os países vizinhos salientaram a preocupação com o aumento da regionalização da economia e a necessidade de aumento de recursos (e de impostos diretos) para que os governos possam manter e ampliar direitos sociais para os grupos mais vulneráveis.

O secretário geral da OCDE, Ángel Gurría, chegou a defender reformas tributárias que ampliem impostos sobre renda de pessoas físicas.

Já Guedes falou sobre o auxílio emergencial e o plano de ampliar a base de assistência social, com o Renda Brasil, mas defendeu a redução de impostos, defendeu o avanços do que chamou de reformas “estruturantes” e indicou a aposta brasileira na ampliação de sua atuação global.

Defesa da Amazônia, de olho na Europa

De olho no acordo de comércio livre entre o Mercosul e a União Europeia, que está sob risco devido ao aumento do desmatamento no país, Guedes dedicou quase dez minutos, de uma apresentação de 25, a falar sobre a Amazônia, a preservação do meio ambiente e as populações indígenas.

“Sabemos que preservamos melhor nossas florestas e que tratamos nossos povos indígenas melhor que outros países, onde houve guerras de extermínio”, disse.

“O Brasil é um país que alimenta o mundo preservando o seu meio ambiente. Se há excessos e há erros, corrigiremos. Não aceitaremos o desmatamento ilegal e a exploração ilegal de recursos”, continuou. “Estamos abertos à cooperação.”

O ministro afirmou que o país não tem capacidade para fazer o monitoramento da Amazônia e de seu território continental sozinho e disse que o Brasil precisa de ajuda.

O país teve recorde de alertas de desmatamento no mês de junho. O Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), usado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), apontou uma área de 1.034 km² sob risco. O valor é 10% maior do que o registrado no mesmo mês do ano passado e 24% maior do que em maio, que já havia sido um recorde para o período.

A cúpula regional continua nesta semana com reuniões entre governos para discutir soluções para enfrentar a crise sanitária e a social em um cenário de grande taxas de informalidade. Na América Latina e Caribe, 58% das pessoas ocupadas são trabalhadores informais. No Brasil, os informais são cerca de 38 milhões.

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, participará na quarta-feira (15) de uma sessão fechada com outros governos em que deve apresentar os resultados da concessão do auxílio emergencial de R$ 600 durante a pandemia.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios