DestaqueEconomiaPolítica

Em expansão do Bolsa Família, governo Bolsonaro quer pagar benefício maior a quem ganha menos

Projeto foi elaborado para ser 'o maior da história'; viabilização será definida pelo presidente, que já falou em extinguir auxílio

BRASÍLIA – O novo programa de transferência de renda que está sendo elaborado pelo governo Jair Bolsonaro para substituir o Bolsa Família deverá pagar um valor maior para famílias que ganham menos. A proposta é que o pagamento varie conforme a renda dos beneficiários.  Atualmente, o incremento de valores ocorre, principalmente, quando há crianças, idosos e gestantes na família.

A minuta do projeto, que reformula o projeto criado em 2003 na gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), foi entregue nesta semana a Bolsonaro. A meta do Planalto é que a nova versão seja a marca social do atual governo — a intenção é apresentá-lo como “o maior programa social da história”. Como deputado, Bolsonaro chegou a defender o fim do Bolsa Família.

O projeto que está nas mãos do presidente prevê também um plano de ação para a saída de beneficiários do programa em parceria com atividades de qualificação oferecida pelo Sistema S (Sesi, Senai, Sesc, Senac). Há ainda a intenção de promover a saída por meio de investimentos no Programa Fomento Rural, que transfere recursos para o incentivo da produção agrícola familiar.

Em posse da proposta elaborada pelos ministérios da Cidadania, Casa Civil e Economia, Bolsonaro será o responsável por decidir de onde retirará os recursos necessários para bancar a ampliação do Bolsa Família. Entre as opções apresentadas pela equipe econômica estão reduções em benefícios tributários, cortes em outros tipos de subsídios e até mudanças no abono salarial, hoje pago a trabalhadores formais que recebem até dois salários mínimos.

Segundo um técnico da área econômica, é possível cortar até R$ 10 bilhões em outros programas para garantir a expansão do Bolsa Família, mesmo que isso ocorra gradualmente. Uma outra fonte do governo diz que R$ 5 bilhões são suficientes para bancar as alterações.

O time do ministro Paulo Guedes (Economia) tem alertado, no entanto, que o governo precisa fazer escolhas. Na avaliação dessa fonte, vai ser difícil ampliar o Bolsa Família, criar um fundo de estabilização dos preços de combustíveis e continuar a conceder benefícios a templos religiosos, por exemplo.

A revisão de outros benefícios já vem sendo estudada pelos técnicos do Ministério da Economia desde o início do ano passado. O Bolsa Família é considerado pela equipe um programa eficiente, que destina recursos diretamente para os mais pobres. A ampliação do programa é apoiada pela pasta.

Em setembro, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) publicou um estudo elaborado a pedido da Secretaria de Política Econômica (SPE) que simula a expansão do programa com base na unificação de quatro benefícios. Nesse processo, seria extinta a dedução por dependente do Imposto de Renda e o abono salarial seria devido só aos mais pobres.

Meritocracia e vale-creche

Outra proposta apresentada a Bolsonaro, mas ainda sem viabilidade financeira, é o pagamento extra para famílias com crianças na primeira infância (com até 36 meses) para permitir que mães possam trabalhar. Internamente este auxílio vem sendo chamado de “voucher creche” e é uma iniciativa da Casa Civil.

Uma das sugestões é que o vale-creche para mães seja oferecido primeiro para as regiões Norte e Nordeste, mas ainda não há uma definição sobre isso.

O  governo também planeja  implementar um regra de “meritocracia” por desempenho de alunos para a distribuição de renda. A ideia é conceder um percentual a mais no benefício para estudantes que concluírem o 3º ano, 6º ano, 9º ano do Ensino Fundamental e o 1º ano, 2º ano e 3º ano do Ensino Médio.

O atual Bolsa Família

Hoje, o espaço para o Bolsa Família no Orçamento é de cerca de R$ 30 bilhões. O programa atenda a 13,8 milhões de famílias. Podem ingressar no programa famílias onde a renda por pessoa é menor que R$ 178, desde que tenham crianças, adolescentes, gestantes ou mães em fase de amamentação.

O valor pago varia de acordo com o número de crianças. Embora a renda não seja determinante no valor do auxílio, domicílios em situação de extrema pobreza têm direito a receber a um valor extra de R$ 89 por mês. Caso ainda assim a renda por pessoa na família esteja abaixo desse valor, o programa prevê o pagamento de um benefício extra, chamado de superação da extrema pobreza, no valor necessário para que o domicílio supere esse patamar.

Via
POR: O GLOBO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios