Internacional

EUA discutiram com autoridades da Venezuela saída de Maduro, diz conselheiro de Trump

Presidente venezuelano, no entanto, disse estar ciente dos encontros. Segundo fontes, Diosdado Cabello participou das conversas

Os Estados Unidos discutiram com autoridades da Venezuela “pelas costas” do presidente Nicolás Maduro , de modo a promover sua saída e a realização de “eleições livres e justas”, disse nesta quarta-feira o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton . Na terça-feira, Maduro e o presidente americano, Donald Trump , confirmaram, com algumas horas de diferença, que representantes dos dois países estão em contato direto, porém sem dar detalhes sobre o que estaria sendo conversado.

“As únicas questões discutidas por aqueles que estão se aproximando pelas costas de Maduro são sua saída e eleições livres e justas”, escreveu Bolton no Twitter, um dia depois de o presidente venezuelano ter confirmado contatos sob sua “autorização expressa” e para “buscar resolver” o conflito com Washington.

“Como o presidente [Trump] afirmou repetidamente, para acabar com o roubo dos recursos do povo venezuelano e com a continuada repressão, Maduro deve sair”, reiterou o Conselheiro de Segurança dos EUA.

Durante as conversas que manteve desde julho com a oposição, mediadas pela Noruega, Maduro deu alguns sinais de que poderia ceder. Segundo Washington Post, ele teria concordado, com algumas ressalvas, com a realização de eleições para a Presidência no ano que vem. As negociações acabaram suspensas após uma nova rodada de sanções impostas pelos EUA.

Estamos em contato, estamos conversando com vários representantes na Venezuela. Não quero dizer quem, mas estamos falando em um nível muito alto — disse Trump a repórteres, quando questionado sobre supostas conversas entre funcionários da Casa Branca e Diosdado Cabello, o número dois do chavismo. — Estamos ajudando a Venezuela o máximo que podemos. Continuamos à margem, mas estamos ajudando. O país precisa de muita ajuda. Há 15 anos, era um dos países mais ricos, agora é um dos mais pobres.

Apesar da abertura ao diálogo, os Estados Unidos e outros 50 países ainda reconhecem o autoproclamado presidente interino Juan Guaidó como o líder legítimo da Venezuela.

No domingo, a agência de notícias Associated Press (AP) revelou a existência dos contatos diretos entre os dois lados . Segundo os relatos da AP, Cabello participou das conversas, buscando garantias de que a liderança do governo não sofrerá represálias se ceder às demandas da comunidade internacional e concordar com um acordo eleitoral confiável. Na reportagem não estava claro se Maduro dera aval aos contatos.

Cabello teria recebido em julho um representante em contato direto com o alto escalão do governo americano para escutar suas propostas. Na estrutura de poder venezuelana, o vice-presidente do governista Partido Socialista Unido da Venezuela (Psuv) é uma das figuras mais radicais e intransigentes, e vê sua influência crescer conforme o poder de Maduro diminui. Washington, entretanto, o acusa de comandar um esquema de corrupção e tráfico de drogas, além de responsabilizá-lo por ameaças de morte contra o senador americano Marco Rubio, um crítico ferrenho do regime venezuelano.

Veja também: Chilenos liberados pela polícia em SP e que cometeram furtos em série no Rio são soltos em audiência de custódia

Via
O Globo

Comentários no Facebook

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios