Esportes

Ex-presidente da CBDA, Coaracy Nunes é condenado à prisão

Decisão em primeira instância determina três anos de detenção e 11 anos e oito meses de reclusão do ex-dirigente

Ex-presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Coaracy Nunes, de 81 anos, foi condenado na última segunda-feira em primeira instância a três anos de detenção e 11 anos e oito meses de reclusão, além de 600 dias de multa, o que hoje equivale a cerca de R$ 120 mil, pelo Tribunal Regional Federal de São Paulo (TRF-SP), por fraudes em licitações e apropriação de recursos. A defesa recorrerá.

Veja também: Bolsonaro sanciona atos que ampliam Lei Maria da Penha

Ricardo de Moura, ex-supervisor técnico da CBDA, foi condenado a dois anos e seis meses de detenção e nove anos de reclusão. Já Sérgio Alvarenga, ex-diretor financeiro, pode ter de cumprir dois anos e um mês de detenção e sete anos e seis meses de reclusão. Ricardo Cabral, ex-supervisor de polo aquático, foi absolvido de todas as acusações.

Coaracy foi considerado culpado por fraudes em quatro licitações para aquisição de equipamentos esportivos, por meio de convênios com o então Ministério do Esporte. Outra denúncia aceita foi de apropriação de valores destinados à ida da Seleção Brasileira júnior para um Mundial no Cazaquistão.

A juíza federal Raecler Baldresca afirmou que foram “nefastas as consequências de seus atos fraudulentos para o esporte nacional, mais especificamente para os esportes aquáticos, dos quais deveria ser o maior defensor”.

Veja também: Celso de Mello vota por condenação de Geddel; julgamento é interrompido novamente

Coaracy, Alvarenga, Ricardo Moura e Cabral chegaram a ficar 82 dias presos preventivamente no Rio de Janeiro, durante a Operação Águas Claras, em 2017. A ação foi motivada por denúncias de atletas e ex-atletas e contou com a participação da Controladoria-Geral da União. Eles conseguiram habeas corpus. O grupo chegou a ser denunciado pelo Ministério Público e São Paulo por organização criminosa, peculato, licitação fraudulenta e falsidade ideológica de documento público, mas só duas denúncias foram aceitas.

– Das quatro acusações, ele e os demais ex-dirigentes foram absolvidos de duas e o ex-coordenador de polo aquático Ricardo Cabral foi absolvido de todas as imputações. A condenação é totalmente equivocada, assim como as penas aplicadas – afirmou o advogado Mauro Tse, que defende Coaracy e os outros dois dirigentes condenados.

Via
Lance
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios