GeralPolítica

Executiva nacional do PSDB recebe pedido de expulsão de Aécio Neves

Documento, que pede o afastamento imediato do deputado e cobra sua desfiliação, deve ser apreciado nesta quarta-feira

SÃO PAULO — O PSDB de São Paulo enviou nesta terça-feira ao diretório nacional do partido um pedido para a expulsão do deputado Aécio Neves . A executiva estadual aprovou o documento por unanimidade na noite da última segunda.

O documento, que deve ser apreciado nesta quarta-feira, pede o afastamento imediato de Aécio e o posterior julgamento de sua expulsão definitiva. O processo será agora distribuído a um relator, que iniciará o procedimento para julgar a admissibilidade do pedido.

— A gente pede a celeridade (do julgamento). O prazo total é de três meses, mas achamos que não deve demorar tanto assim — afirmou Marco Vinholi, presidente do diretório estadual paulista — Ele terá amplo direito à defesa. Nós nos baseamos no inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF). A partir disso, a Comissão de Ética poderá avaliar essas infrações.

Aécio Neves tornou-se réu no STF em abril de 2019 sob acusação de corrupção passiva e obstrução de Justiça, mas ainda não foi julgado. Questionado sobre os 16 meses sem punição dentro do partido, Vinholi tergiversou.

— Nós tivemos várias etapas de construção desse modelo que o PSDB está se dispondo. Na última convenção nacional, foi o único partido a aprovar regras claras para todos os seus filiados. Foi um amadurecimento do partido e todas as legendas têm problemas éticos e morais. O que o PSDB está fazendo de diferente é se debruçar sobre esses problemas e passar de forma clara para a sociedade como ele atua sobre isso — declarou.

Na mesma noite em que formalizou o pedido de expulsão de Aécio, a executiva também arquivou o documento que solicitava o cancelamento da filiação de Alexandre Frota.

Assinado por José Anibal, ex-presidente nacional do PSDB, e por Pedro Tobias, ex-presidente paulista da sigla, o pedido se baseava nas recentes ofensas ditas por Frota, em especial, contra Geraldo Alckmin. A executiva declarou não ter atribuição para processar o pedido.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios