DestaqueGeralPolítica

FAB divulga imagens de aviões no combate a focos de incêndio na Amazônia

Reforço aéreo acontece um dia depois do presidente Jair Bolsonaro (PSL) assinar o decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), que autoriza as Forças Armadas no combate dos incêndios.

A Força Aérea Brasileira (FAB) divulgou na tarde deste sábado (24) a imagem de dois aviões no combate a focos de incêndio na Amazônia. O reforço aéreo acontece um dia depois do presidente Jair Bolsonaro (PSL) assinar o decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), que autoriza as Forças Armadas no combate dos incêndios.

De acordo com a FAB, as aeronaves modelo C-130 Hércules tem um equipamento composto por cinco tanques de água e dois tubos que se projetam pela porta traseira do avião, podendo carregar até 12 mil litros de água. Segundo o Ministério da Defesa, a ação desses aviões em Rondônia já fazem da GLO.

A ação de combate deve se concentrar principalmente nos municípios ao norte de Rondônia, como a capital Porto Velho, Cujubim, Candeias do Jamari, Nova Mamoré, Machadinho do Oeste e Buritis.

A base da operação, segundo a FAB, ficará em Porto Velho. A partir da capital rondoniense, os aviões percorrerão os pontos da Amazônia que estão com incêndios.

Na sexta-feira, o governo do estado iniciou a Operação Jequitibá para controlar os focos de incêndio nos municípios. A ação tem a participação do Corpo de Bombeiros, Instituto Chico Mendes (ICMBio), Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam), Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) e Prev Fogo/Ibama.

Além das equipes estaduais, o governo federal divulgou que o estado de Rondônia solicitou auxílio das tropas federais no combate aos incêndios. Com o pedido do governador Marcos Rocha (PSL), o uso das aeronaves militares foi autorizado.

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, autorizou na tarde deste sábado que a Força Nacional de Segurança Pública também atue no combate das queimadas em Rondônia.

Pedido de reforço dos estados
Além de Rondônia, o governo federal afirma que mais cinco estados pediram ação das Forças Armadas no combate ao fogo. São eles: Roraima, Pará, Tocantins, Acre e Mato Grosso.

Em uma coletiva de imprensa em Brasília, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, explicou que, sem um pedido oficial dos respectivos governadores, as Forças Armadas só podem atuar nas áreas federais– unidades de conservação e terras indígenas.

Durante a manhã deste sábado, o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal, formado pelos sete estados do Norte, além de Mato Grosso e Maranhão, também pediu cooperação do governo federal e uma reunião em caráter de urgência com Jair Bolsonaro para tratar de queimadas na região. Um documento assinado pelos governadores foi divulgado na manhã deste sábado (24)

GLO do fogo
O presidente Jair Bolsonaro assinou, ainda na sexta, um decreto autorizando o envio de homens das Forças Armadas para atuar nos estados da Amazônia. O decreto do presidente vale para toda a Amazônia Legal, da qual fazem parte os estados da Região Norte, além do Mato Grosso e Maranhão.

As queimadas geraram uma crise no governo federal, que vem sendo cobrado nos últimos dias no Brasil e no exterior por causa da situação da floresta. Artistas, sociedade civil e líderes de outros países se manifestaram em defesa da Amazônia.

De acordo com a Nasa (Agência Espacial Norte-Americana), 2019 é o pior ano de queimadas na Amazônia brasileira desde 2010.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios