DestaqueJustiçaLava Jato

Fernando Cavendish é condenado a 11 anos de prisão por fraudes em obra da Delta em São Paulo

Juiz Marcelo Bretas também condenou o empresário a pagar uma indenização de R$ 21 milhões. Ex-dono da Delta firmou acordo de delação premiada e vai poder recorrer em liberdade.

O empresário Fernando Cavendish, ex-dono da Delta Construções, foi condenado a 11 anos e 8 meses de prisão em regime fechado pelos crimes de fraude a licitação e lavagem de dinheiro, por irregularidades nas obras de ampliação da Marginal Tietê, em São Paulo.

A sentença do juiz federal Marcelo Bretas, responsável pelos processos da Lava-Jato no Rio, também condenou Cavendish a pagar uma indenização de R$ 21 milhões.

O juiz permitiu que Cavendish recorra em liberdade. A condenação será convertida aos termos do acordo de delação premiada.

A defesa do empreiteiro afirmou apenas que “Fernando Cavendish segue contribuindo com a Justiça”.

Essa denúncia foi feita pelo Ministério Público de São Paulo ao Tribunal de Justiça paulista, mas em 2017 foi encaminhada à 7ª Vara Federal Criminal do Rio, que já tinha um processo anterior sobre fraudes envolvendo a Delta Construções — o da Operação Saqueador.

Deflagrada em junho de 2016, a Saqueador tinha como objetivo apurar suspeitas de lavagem de R$ 370 milhões em obras da Construtora Delta no Rio — Cavendish era um dos principais alvos e chegou a ser preso.

O empreiteiro Fernando Cavendish — Foto: Reprodução/GloboNews
O empreiteiro Fernando Cavendish — Foto: Reprodução/GloboNews

Aditivos na Marginal

A denúncia do MP paulista — que foi ratificada pelo Ministério Público Federal no Rio — trata de fraude à licitação da Dersa, estatal do governo paulista, para as obras de ampliação da Marginal Tietê, em São Paulo, no valor inicial de R$ 287 milhões. As obras ocorreram entre 2009 e 2011.

O valor total da obra chegou a R$ 358 milhões, depois de aditivos que chegaram a 24,99% do valor inicial.

Na sentença, o juiz Marcelo Bretas destaca que a Lei de Licitações permite a alteração do contrato em até 25%. Ou seja, até esse limite, é pouco provável que haja uma atuação severa dos órgãos de fiscalização.

Delação

Cavendish firmou delação premiada com o Ministério Público. Em seu interrogatório, em julho do ano passado, ele admitiu que, para ganhar a obra, a Delta pagou propina de R$ 8 milhões em espécie ao então diretor de Engenharia da Dersa, Paulo Vieira de Souza.

Ao longo do contrato, Cavendish disse que pagou mais R$ 20 milhões de propina ao executivo da Dersa. Paulo Vieira de Souza não é réu nesse processo junto com Cavendish.

Cavendish também foi condenado por usar empresas de fachada dos operadores financeiros Adir Assad e Marcello Abbud, para lavar parte do dinheiro desviado das obras da Marginal Tietê. Assad e Abbud também firmaram delação premiada com o MPF e confirmaram os crimes.

Na sentença, o juiz Marcelo Bretas escreveu que os contratos fictícios celebrados as notas fiscais emitidas e os repasses de dinheiro entre as empresas de fachada de Adir Assad e Marcello Abbud à Delta serviam para a formação de caixa 2 para pagamento de propina destinada aos gestores da Dersa.

Por conta da delação, o processo contra Adir Assad e Marcello Abbud foi suspenso, e eles não chegaram a ser julgados.

Uma sócia das empresas de Assad e Abbud, que seria “laranja”, também foi condenada a 4 anos de prisão por lavagem de dinheiro.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios