Justiça

Fux quer cópia de inquérito de hackers e proíbe destruição de provas

Decisão foi tomada a pedido do PDT, por temor de que o ministro Sergio Moro pudesse descartar provas

BRASÍLIA — Em resposta a um pedido do PDT , o ministro Luiz Fux , do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou “a preservação do material probatório já colhido no bojo da Operação Spoofing e eventuais procedimentos correlatos”. Ele também determinou que seja enviada ao STF “cópia do inteiro teor do inquérito relativo à referida operação, incluindo-se as provas acostadas, as já produzidas e todos os atos subsequentes que venham a ser praticados”.

A decisão vale pelo menos até o julgamento final da ação. A operação prendeu quatro suspeitos de invadir ou tentar invadir os celulares de várias autoridades. O processo, que é sigiloso na Justiça Federal de Brasília, continuará em segredo no STF. Há a suspeita de que ministros da Corte tenham sido hackeados.

O pedido do PDT foi uma reação à declaração do ministro da Justiça, Sergio Moro, que, segundo nota do Superior Tribunal de Justiça (STJ), informou ao presidente da Corte, ministro João Otávio de Noronha, que o material seria “descartado para não devassar a intimidade de ninguém” . Noronha teria sido um dos alvos hackeados.

As mensagens em posse da PF podem confirmar reportagens do site The Intercept Brasil, segundo as quais Moro não agiu com imparcialidade quando era juiz da Operação Lava-Jato. De acordo com o site, ele orientou procuradores, o que é vedado.

“A salvaguarda do acervo probatório é essencial para a adequada elucidação de todos os fatos relevantes, mormente porque a eliminação definitiva de elementos de informação reclama decisão judicial”, anotoou Fux na decisão.

Ele também deu um prazo de cinco dias para que Moro preste informações. Além disso, a tarefa de fornecer uma cópia do inquérito ao STF ficará à cargo da Polícia Federal (PF), que é vinculada ao Ministério da Justiça. A PF também terá cinco dias para fazer isso.

Via
O GLOBO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios