Economia

Gasolina no Brasil está entre as mais caras da América do Sul

Brasileiros pagam menos pelo litro do combustível apenas do que os motoristas do Chile e do Uruguai, afirma GlobalPetrolPrices

O Brasil terminou 2019 com uma das três gasolinas mais caras da América do Sul. Com o litro do combustível avaliado em R$ 4,60 (US$ 1,133) no dia 30 de dezembro, os motoristas brasileiros desembolsam menos apenas do que os vizinhos do Chile (R$ 4,896) e do Uruguai (R$ 6,009) pelo litro do combustível, segundo dados do GlobalPetrolPrices.

Veja mais: Após briga por herança, filho de Gugu passa Natal longe da mãe

Na outra ponta da lista, aparece a Venezuela, onde o preço desembolsado por cada litro de gasolina é apenas R$ 0,004 (US$ 0,001). Na sequência, figuram Equador (R$ 1,985), Bolívia (R$ 2,205) e Colômbia (R$ 3,017).

Nesta segunda-feira (6), o presidente Jair Bolsonaro reconheceu que o preço dos combustíveis está alto e avaliou que os valores devem se estabilizar após a disparada do petróleo diante das tensões causadas pelo ataque dos Estados Unidos que matou o general iraniano Qassem Suleimani.

“Reconheço que o preço está alto na bomba. Graças a Deus, pelo que parece, a questão lá dos EUA e Iraque, […] o impacto não foi grande. Mas a tendência é estabilizar”, afirmou o presidente, que negou uma possível intervenção na política de preços da Petrobras.

Veja mais:AGU é contra feriado do Dia da Consciência Negra em São Paulo

Política de preços

O regime de altas da Petrobras para gasolina e diesel tem como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais desses produtos mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias.

Se a política for realmente mantida, a tendência é de que a Petrobras anuncie em breve um reajuste no valor dos combustíveis nas refinarias brasileiras, que têm seus preços inalterados desde o dia 1º de dezembro.

Diante da turbulência internacional, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, se reuniu com Bolsonaro e o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, para discutir.

Em entrevista após o encontro, Albuquerque garantiu a liberdade da Petrobras e disse que o governo trabalha para elaborar políticas para o país “não ficar refém” de problemas gerados pelas altas nos preços do petróleo no mercado internacional.

“Eu não vou dizer para vocês qual é o instrumento, até porque não se trata de um instrumento só, são vários instrumentos que estão sendo analisados”, explicou ele, que vê o Brasil como um dos cinco maiores produtores de petróleo nos próximos 20 anos.

Veja mais: Bolsonaro diz que conversará com Ernesto Araújo sobre pedido de explicações do Irã

Via
R7
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios