Notícias

Governo aprova 63 defensivos agrícolas, incluindo 7 novos registros e genéricos

O governo aprovou o registro de 63 defensivos agrícolas, sendo sete deles novos produtos e 56 genéricos, que têm como base ingredientes ativos já presentes em outros produtos presentes no mercado, disse o Ministério da Agricultura nesta terça-feira.

Com a publicação dos registros pelo do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária, no Diário Oficial desta terça-feira, chega a 325 o número de liberações de produtos em 2019, destacou a pasta em comunicado.

Dentre os recém-aprovados constam produto técnico (para uso industrial) e formulado (pronto para uso na lavoura) à base do ingrediente ativo Fluopriram, que pode ser usado para combater nematoides nas culturas de batata, café, cana, milho e soja, além de fungos nas culturas de algodão, feijão, e soja.

“O produto é uma molécula com atividades fungicida e nematicida altamente eficaz e estava há 10 anos na fila esperando a análise do pleito de registro”, afirmou o ministério, destacando que “diversas medidas” foram adotadas “nos últimos anos” para acelerar a análise dos defensivos.

Também foi registrado um clone do herbicida florpirauxifen-benzil, que pode ser utilizado para o controle de plantas daninhas na cultura do arroz, além de produto técnico à base do ingrediente ativo Dinotefuram, que futuramente poderá ser usado nas lavouras para combate a insetos sugadores como percevejos e mosca branca.

Outro dos registros publicados nesta terça-feira é de produtos formulados à base de Sulfoxaflor e Lambda-cialotrina– no caso, foi liberado o registro de um produto e de outros dois idênticos com esses ingredientes ativos, destinados ao controle de percevejo nas culturas de soja, milho e arroz.

“O uso desse defensivo deverá seguir as orientações estabelecidas pelo Ibama para minimizar o risco para as abelhas, como a restrição de aplicação em períodos de floração das culturas, o estabelecimento de dosagens máximas do produto e de distâncias mínimas de aplicação”, ressaltou o ministério.

 

Via
Reuters
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios