Economia

Governo deve liberar mais R$ 28 bi para auxílio emergencial

Custo do programa irá superar R$ 150 bi

BRASÍLIA — O governo deve liberar mais recursos para pagar o auxílio emergencial de R$ 600. Os técnicos preparam uma nova medida provisória destinando mais R$ 28 bilhões para que a Caixa Econômica Federal prossiga com os pagamentos, segundo fontes que participam da elaboração da proposta.

A necessidade de ampliar os gastos para o programa ocorre depois do presidente Jair Bolsonaro sancionar, com vetos, projeto aprovado pelo Congresso Nacional que amplia os beneficiários do auxílio emergencial.

Com a nova medida, o custo do programa saltará para 152 bilhões, de acordo com técnicos da equipe econômica. A ampliação do orçamento do programa não leva em conta a eventual extensão do auxílio para além de três meses. Por enquanto, o governo trabalha com o pagamento do programa por três meses, diante dos custos elevados do programa.

Porém, de acordo com informação do Órgão na ocasião da publicação dos mencionados Atos, o número total de pessoas na informalidade era um dado desconhecido, e assim, novos beneficiários poderiam surgir até o final do período do auxílio emergencial de três meses e outro crédito extraordinário adicional poderia ser solicitado, o que enseja a proposição deste crédito.

A necessidade de ampliar os gastos do programa é explicado, segundo fontes do governo, pelo aumento de beneficiários classificados como elegíveis para recebimento do auxílio emergencial, além da ampliação do rol de beneficiados, com a inclusão das mães adolescentes.

Além disso, o governo deve fechar uma parcerias com os Correios para cadastrar e atender pessoas que não têm acesso à internet ou celulares.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios