EconomiaPolítica

Governo estuda maneira de acelerar vendas de estatais, diz Salim Mattar

Secretário de desestatização disse que privatização mais rápida levará de 10 a 11 meses, sem revelar qual empresa. Ele voltou a afirmar que Petrobras, Caixa e BB não serão vendidos.

O secretário especial de desestatização e desinvestimento, Salim Mattar, disse nesta sexta-feira (11) que o governo está discutindo maneiras de tornar mais rápida a privatização empresas estatais.

De acordo com Mattar, o processo mais rápido levará em torno de 10 a 11 meses para ser concluído. Ele não revelou de qual companhia se trata. Nas palavras do secretário, na iniciativa privada, a mesma empresa levaria entre 60 a 75 dias para ser vendida.

“Nós precisamos elaborar um fast track para poder vender mais rápido essas empresas”, afirmou a investidores em evento em São Paulo.

Para o secretário, o maior desafio que ele encontra na função hoje é a “dificuldade de se reduzir o tamanho do estado” em função do complexo “arcabouço jurídico” para as privatizações.

Mattar se queixou da dificuldade que o governo teve para se desfazer de ações do Banco do Brasil.

“O departamento jurídico do BNDES dificultou a venda das ações e nós não vamos vender as ações do Banco do Brasil. Nós vamos vender as ações [do banco] que pertencem à caixa e as excedentes que pertencem ao Banco do Brasil. As ações da União, nós não podemos vender porque tem que passar pelo BNDES”, afirmou.

De acordo com o secretário, uma forma de acelerar as vendas de estatais está agora sendo discutida com diversas áreas, entre elas o Ministério da Economia e a Casa Civil.

Salim Mattar voltou a afirmar que Petrobras, Caixa e Banco do Brasil não serão vendidas, bem como estatais ligadas à Defesa e outras que “o Congresso não quiser”.

“Vamos vender todas as que forem possíveis”, afirmou.

Via
G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios