Notícias

Grupo é preso após faturar R$ 1 mi com vagas falsas de emprego

Polícia estima que 2.500 pessoas tenham caído no golpe. Por dia a falsa empresa faturava R$ 15 mil. Caso foi registrado no 4º DP, na Consolação

Quatro pessoas foram presas suspeitas de oferecer falsas vagas de emprego e cobrarem dinheiro dos candidatos, na terça-feira (22), na rua Nestor Pestana, 27, na República, região central de São Paulo. A polícia estima que o grupo tenha faturado R$ 1 milhão nos últimos três meses.

Veja também: Com uso de câmeras inteligentes índices de criminalidade despencam em Niterói

Segundo a polícia, os golpistas conseguiam o contato das vítimas em sites de empresas verdadeiras, que ofereciam emprego. Com os dados em mãos, ligavam ou mandavam mensagens dizendo ter oportunidades de trabalho. Eles pediam dinheiro para as vítimas em troca de trabalho.

Quando a pessoa chegava no endereço onde funcionava a falsa agência tinha que pagar de R$ 280 a 400 para fazer um curso de apenas quatro horas. Ao ser aprovado para a falsa vaga, era preciso comprar o uniforme.

Veja também: Volta de Kirchner ao poder ameaça Mercosul, diz Bolsonaro

A polícia estima que 2.500 pessoas tenham caído no golpe. Por dia, segundo a polícia, a falsa empresa faturava R$ 15 mil. Só nos últimos três meses, o lucro chegou a um milhão de reais.

Os golpistas usavam endereços diferentes para confundir as vítimas. Gilson, que caiu no golpe por duas vezes, contou que chegou a ir em dois diferentes endereços, nas ruas Sete de Abril e Nestor Pestana, ambas na República.

A mensagem que Gilson recebeu pelo celular continha erros de digitação e de português e até mesmo informava uma data de agendamento que já havia passado, mas a necessidade era tanta, que ele contou que não percebeu.

Veja também: Jair Bolsonaro diz que acordo Mercosul-Japão pode avançar em novembro

A segunda vítima é um haitiano, que após cair no golpe, com fome e sem emprego, vai voltar para o abrigo onde mora. O refugiado haitiano está no Brasil há 11 meses. O caso foi registrado no 4º DP, na Consolação, onde cerca de 60 vítimas estiveram prestando depoimento. Outros três integrantes ainda são procurados pela polícia.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios