DestaqueEconomiaGeral

Guedes apresenta a Bolsonaro modelo de privatização da Eletrobras nesta quinta

Projeto prevê redução da fatia da União a menos de 50%. Objetivo é enviar texto ao Congresso ainda em agosto

BRASÍLIA — Os ministros da Economia, Paulo Guedes , e de Minas e Energia, Bento Albuquerque, irão apresentar o modelo de privatização da Eletrobras ao presidente Jair Bolsonaro em reunião na manhã desta quinta-feira, no Palácio do Planalto. O presidente da companhia, Wilson Ferreira Júnior, foi convidado oficialmente a participar das conversas.

Caberá a Bolsonaro bater o martelo sobre os detalhes do projeto. A intenção dos técnicos é encaminhar o texto ao Congresso Nacional ainda neste mês. Na noite dessa quarta-feira, o Bento Albuquerque enviou uma carta ao presidente da Eletrobras o convidando a participar da reunião.

Nela, Albuquerque lembra que “a efetivação e a definição das condições da desestatização da Eletrobras dependerão do envolvimento dos Poderes Executivo e Legislativo”. A privatização precisa passar pela análise de deputados e senadores porque a empresa foi excluída do Programa Nacional de Desestatização (PND). É necessário uma nova lei para incluir a empresa no programa.

Além disso, uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que a privatização de holdings , caso da Eletrobras, precisa passar pelo Congresso.

O modelo da privatização foi concluído entre os técnicos há duas semanas, mas a íntegra do texto é mantida em sigilo. O processo em análise é semelhante ao projeto encaminhado pelo governo do ex-presidente Michel Temer, no ano passado. Ele prevê uma capitalização da Eletrobras.

Com o lançamento das ações no mercado, a União abriria mão do controle da empresa, reduzindo sua participação de pouco mais de 60% para algo inferior a 50%.
O Orçamento deste ano conta com uma receita de R$ 12 bilhões que seria obtida com a venda da estatal de energia. O valor arrecadado, porém, pode ser ainda maior.

O governo acelerou as definições sobre a privatização da estatal de energia após a aprovação da reforma da Previdência em primeiro turno na Câmara. A necessidade de dinheiro para liberar recursos no Orçamento e conseguir fechar as contas neste ano apressou as discussões nos ministérios, que contam com a desestatização também como parte da agenda pós-reforma.

Via
O GLOBO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios